header top bar

Raquel Alexandre

section content

88 anos de Flor de Liz – A eterna dama da imprensa cajazeirense

13/03/2014 às 19h46

Terminei o meu curso de História em junho do ano passado e para conseguir esse feito tive que fazer um trabalho de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) e escolhi o tema da Revista Flor de Liz (conhecida como “A dama da imprensa cajazeirense”), um periódico feminino que circulou na cidade de Cajazeiras entre os anos 1926 e 1937, há exatos 88 anos. 

No início do século XX, a imprensa foi considerada sinônimo de progresso, e sendo assim os primeiros noticiosos da Terra do Padre Rolim foram os jornais “O Rio do Peixe” (1924) e “O Rebate” (1925), seguidos do Jornal “O Sport” (1926) e da Revista Católica Feminina, “Flor de Liz” (1926). Não é à toa que a cidade de Cajazeiras é conhecida como a “Terra que ensinou a Paraíba a ler”

Foi um prazer escrever sobre essa revista feminina, produzida por um grupo de mulheres católicas de Cajazeiras, que escreviam sobre os mais variados assuntos: moda, beleza, família, casamento, trabalho, educação, religião, culinária, cuidados com a casa, o marido e os filhos entre os mais variados assuntos que enfocavam a modernidade e as mudanças comportamentais da época, seu estilo de vida, costumes e cotidiano tendo como personagem principal, a mulher. 

O interessante também era que as mulheres usavam o espaço da revista católica para exporem a sua opinião e para construírem lugares através das publicações da Flor de Liz.  

Muitas das autoras eram professoras ou formadas pela Escola Normal Nossa Senhora de Lourdes (na época coordenada pelas Irmãs Dorothéas). Estas mulheres eram oriundas das famílias cajazeirenses mais abastadas da época. 

Na época de circulação da revista, a modernidade ainda engatinhava na cidade de Cajazeiras, a exemplo dos transportes e comunicações (telégrafo, telefônico e ferroviário), a adoção de melhoramentos das ruas, a exemplo de água encanada, sistema de esgotos ou iluminação pública ou privada, além da construção de prédios e logradouros públicos.

Estas mulheres se destacaram pela habilidade de se conceituarem como verdadeiras escritoras dos principais temas que interessavam às leitoras e leitores da cidade, numa época que a mulher não tinha tanto espaço na velha sociedade patriarcal. 

Para finalizar não poderia deixar de mencionar as fundadoras da revista Flor de Liz: Fortunata Assis, Cecília Pegado, Maria Tavares, Tarquínia Albuquerque, Júlia Tavares, Sinhazinha Ramalho, Adalgisa Reis. Santa Ribeiro, Aline Rolim, Izabel Cartaxo (Esposa do Poeta Cajazeirense Cristiano Cartaxo), Oscarina Coelho, Odília Leal, Rosa Tavares, Cynthia Matos e Rosa David. 

Retirei este trecho de uma das edições da Revista, no qual uma das escritoras comenta sobre a Flor de Liz (Preservei a grafia da época): 

A “Flor de Liz” não nasceu de nossa vaidade de mulher; brota de nosso coração de catholicas. O que nós queremos não é uma revista que fale de nosso nomes; desejamos um vehiculo de nossas idéas, a nossas conterrâneas, um meio de nos estimularmos a nós próprias. É por isso que a “Flor de Liz” surge no meio do sertão, na adustez do Nordeste. Chama-se Acção Social Catholica Feminina o nosso centro. O que queremos está dito ahi. Temos um programa que começa pela imprensa catholica da nossa querida cidade. Apóia-la, propaga-la, ampara-la, é nossa primeira tarefa. É nosso intuito faze-lo, preparando-nos para vencer. Dahi a nossa “Flor de Liz” onde cuidamos de nossa cultura intelectual e moral, aprendendo de nossos colaboradores e aprendendo de nosso magistério, a melhor maneira de aprender, no dizer do sábio humanista Erasmo. O mais são curvas da estrada. Andando, veremos como havemos de palmilhar (FLOR DE LIZ, Ano 1, Nº 5, Abril de 1927).

Onde quer que elas estejam, pois todas já partiram para o andar de cima, estas guerreiras merecem todo o respeito, consideração e admiração de todos os cajazeirenses, pelos primeiros passos e incentivo de um dos meios de comunicação mais importantes, a imprensa. A todas, o nosso eterno abraço e reconhecimento!

Fique com Deus!

Nota: Quem tiver o interesse de conhecer e saber mais sobre a Revista Flor de Liz, na Biblioteca da UFCG, Campus de Cajazeiras, há 15 cópias xerografadas esperando pela sua leitura. 

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre de Santana – Historiadora e Funcionária Pública Municipal

Contato: raquelalexandre24@hotmail.com

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre

Raquel Alexandre de Santana – Historiadora e Funcionária Pública Municipal

Contato: raquelalexandre24@hotmail.com