header top bar

section content

A roça do padre Francivaldo

11/10/2015 às 17h12

Por Francisco Frassales Cartaxo

Padre Francivaldo Albuquerque e seus parentes revigoram suas propriedades rurais. A família luta para dar novo sentido econômico à terra, aplicando tecnologias simples, adaptando-as à secura do semiárido, para bem produzir na seca legumes, frutas e verduras. Recorre a técnicas de irrigação que privilegiam o uso racional do fator escasso, a água, e combina com diversificação da lavoura e criação de animais. E avança rumo à produção artesanal de queijo e polpa de fruta. Qual o segredo? Vontade de trabalhar com os pés no chão. Utiliza na irrigação o gotejamento, economizando água, que é racionalmente armazenada. Junte-se a isso, a reconhecida capacidade de trabalho, a esperteza da família e antiga vinculação ao amanho da terra. Por isso, em plena seca, fornece ao mercado consumidor de Cajazeiras legumes, frutas, verduras e outros produtos. Segundo Francivaldo, essas atividades geram dezenas de empregos e receitas que compensam as canseiras do trabalho. 

A experiência não é pioneira. 

E daí? Há milhares de famílias espalhadas no semiárido nordestino que batalham para conviver com a seca, contando com o apoio e o entusiasmo de técnicos e entidades, como a Articulação do Semiárido (ASA), de instituições estatais bancárias e assistenciais. Agora, o não pioneirismo não retira dos irmãos, tios, sobrinhos, parentes e aderentes de Francivaldo, o mérito de sua ação. Ao contrário, deve ser exaltada para servir de exemplo a muitos agricultores familiares dispostos a dar à terra árida do sertão uso racional no verão e, sobretudo, em períodos de seca prolongada. Sem sofisticação teórica.

Durante anos, fui lotado no ETENE, departamento de estudos e pesquisas do BNB voltado para o desenvolvimento do Nordeste. Aí pela década de 1970, técnicos do setor rural, passaram anos pesquisando a realidade do semiárido, tentando dimensionar uma propriedade-padrão que tivesse viabilidade econômico-financeira. Para isso, teriam que usar variadas técnicas agrícolas e pecuárias pouco conhecidas do agricultor. Salvo engano, a equipe chegou à esta conclusão: o tamanho ideal da propriedade é de 100 hectares. Abaixo disso, cultivá-la seria inviável, portanto, não passível de apoio financeiro! Eu achava aquilo um tremendo desperdício de tempo e dinheiro. Meses de masturbação técnica!  Síntese do estudo, porém, foi divulgada em livro e, imagino, deve ter rendido aos autores rasgados elogios! 

Na época, eu alimentava forte receio. 

Ora, fixar o tamanho mínimo da propriedade no semiárido, para viabilizá-la econômica e financeiramente, poderia resultar em normas bancárias de enquadramento de empréstimos agropecuários. Se a propriedade candidata ao crédito não tivesse 100 hectares, nada feito. Pense na estupidez! Meu pressentimento tinha razão de ser. Vivia-se ainda na ditadura e, às vezes, coisas assim eram abraçadas com entusiasmo como solução genial para desenvolver o sertão nordestino, muito embora a genialidade implicasse em desprezar a cultura secular de nosso povo, os saberes populares acumulados ao longo dos séculos.

Ainda bem que a asneira não pegou. 

Os caminhos são outros, como este adotado pela gente de Francivaldo: aproveitar o que a terra pode oferecer, agregando tecnologia simples à prática milenar da agricultura de vazante, contando com o adjutório técnico disponível. Nada de inventar novidade, como aquela fantasia da propriedade-padrão do BNB, felizmente, hoje esquecida em alguma estante cheia cupim.

Veja a reportagem da TV Diário do Sertão sobre a fazenda Javigor

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com