José Antonio
José Antonio - altopiranhas@uol.com.br

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

17/03/2017 às 17h08

Águas aprisionadas não chegam a Engenheiro Ávidos e Lagoa do Arroz

Por que os Açudes de Engenheiro Ávidos e Lagoa do Arroz não vão “encher” este ano? O primeiro obstáculo: paralisação das obras do Eixo Norte da Transposição do Rio São Francisco, que estão sendo prometidas para o mês de dezembro, sequer a licitação para escolher a empresa que vai dar continuidade a obra ainda foi definida.
Os outros obstáculos, mesmo que as chuvas sejam grandes, as águas do Rio Piranhas e de seus afluentes não serão barradas pelos dois mananciais que abastecem a cidade de Cajazeiras.

Antes será preciso que os cinco maiores açudes que existem no leito do Piranhas comecem a sangrar: o Bartolomeu I, no município de Bonito de Santa Fé, com capacidade de armazenar 15.570.556 m³ de água, hoje se encontra com apenas 0,2% o que significa 31.900 m³ de água, o Açude Bom Jesus, no município de Carrapateira, com capacidade para 343.800 m³ de água está com 2,5% o que representa apenas 8.468 m³, o São José I, no município de São José de Piranhas que armazena 3.051.125 m³ está com 9,9% o que significa 301.128 m³ de água.

Ainda no município de São José de Piranhas foram construídas duas barragens que fazem parte do Projeto da Transposição do Rio São Francisco: a da Boa Vista, que barra o Riacho do Tamanduá, principal afluente do Piranhas que tem a capacidade de armazenar 240.000.000 m³ (dados não oficiais) e que poderá já ter armazenado mais de 15.000.000 m³. Estas águas vêm desde o município de Barro no vizinho estado do Ceará e a Barragem de Morros, que junto com a de Caiçara no município de Cajazeiras armazenam cerca de 10.000.000 m³ (dados não oficiais).

Com relação ao Açude Lagoa do Arroz que tem como principal rio o São José a principal barragem é a Cachoeira da Vaca com capacidade de armazenar 339.156 m³ de água, está com 9,9% o que equivale a 301.128 m³. Existem outros pequenos açudes em propriedades particulares que deságuam no Rio São José, mas de pouca capacidade e com poucas chuvas logo sangram.

Podem existir outros obstáculos que impeçam que as águas das chuvas escoem direto para estes dois açudes, mas pelas minhas pesquisas só consegui encontrar os citados acima.

Infelizmente no site do Ministério da Integração não existem informações, ou se tem não consegui encontrar dados oficiais, sobre a capacidade de armazenamento das três barragens: Boa Vista, Morros e Caiçara e muito menos da quantidade de quilômetros que faltam para a conclusão dos canais.

Na realidade o mais difícil e complicado já está pronto: o túnel Cuncas I, com 15 Km de extensão, que sai do Mauriti no Ceará, passa por baixo de uma serra no município de Monte Horebe até chegar a São José de Piranhas e outro, o Cuncas II que sai de São José de Piranhas até Cajazeiras.

A promessa do governo federal para concluir os 402 quilômetros do Eixo Norte, passou do ano de 2012 para dezembro de 2017, mas como estamos na iminência de não termos este ano uma invernada com chuvas que possam encher os açudes, e por incrível que pareça tem gente torcendo para isto aconteça, para que as obras do Eixo Norte sejam aceleradas.

Uma pergunta que não encontramos respostas, muito embora eu já atenha feito diretamente ao Ministério da Integração Nacional: o que está faltando par concluir o trecho conhecido como META 3N – (81 km): que se estende do reservatório Boi II, no município de Brejo Santo (CE), até o reservatório Engenheiro Ávidos, no município de Cajazeiras (PB)? Este trecho passa pelos municípios de Brejo Santo (CE), Mauriti (CE), Barro (CE), Monte Horebe (PB), São José de Piranhas (PB) e Cajazeiras (PB).

Estive em cima da parede da Boa Vista, que esta barrando as águas do Riacho Tamanduá, principal afluente do Rio Piranhas e nela já tem muita água acumulada, que poderá, bem antes da chegada das águas do São Francisco, ser liberada com a abertura de suas comportas ou através de possantes bombas, para tomar rumo ao Açude de Engenheiro Ávidos, sem a menor necessidade da construção de canais, já que dela até Boqueirão existe o leito do rio.Será que vou ter o prazer tomar um banho, com as águas do São Francisco, que vão perenizar o Rio Piranhas, que banha minhas garras de terra e nele pescar surubins, dourados ou pacus? Sonho com isto ainda este ano.

1.112 açudes sangram para o Piranhas

O Piranhas nasce na Serra do Bongá, município de Bonito de Santa Fé, estado da Paraíba, com o nome de rio Piranhas, denominação que leva até adentrar o estado do Rio Grande do Norte pelo município de Jardim de Piranhas. Só recebe o nome de Piranhas-Açu ao passar pela Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, no município potiguar de Itajá. Completando seu percurso, recebe águas das cheias na região das lagoas do Piató, Ponta Grande e do Queimado, indo desembocar no litoral norte do estado do Rio Grande do Norte, em forma de estuário, próximo a cidade Macau.

Drenando ao todo 43.681,50 km², é a maior bacia hidrográfica do estado do Rio Grande do Norte, onde ocupa 17.472,6 km², ou um terço do território estadual, assim como da Paraíba, onde banha 26.208,9 km², ou seja, mais da metade do território. Seus principais afluentes são o Espinharas, o Picuí e o Seridó, todos os rios sertanejos e temporários. Além disso, são encontrados 1.112 açudes que “sangram” no Piranhas.

Deixe seu comentário