header top bar

section content

Alugo-me para o Dia dos Namorados

21/06/2016 às 20h08

Alugo-me para o Dia dos Namorados

Por Abraão Vitoriano

Você deve estar estranhando o título desse texto. Das duas, uma: ou padeço de algum distúrbio ou perdi o trem das 11 – salve, salve, Adoniram Barbosa.

Mas já que chegou até aqui, eis a razão pela qual essa crônica não foi publicada no dia 12 de junho: o massacre a mais de cinquenta pessoas na boate gay em Orlando. Perdi, realmente, a noção de tempo e espaço, a crença na humanidade e, deste modo, a inspiração para escrever.

O que aconteceu para motivar-me de novo? Uma noite com amigos. Na mesa, quase todos estavam acompanhados e mesmo aqueles “sozinhos”: eram comprometidos. Resultado: apenas eu, naquele lugar, cidade, estado, região, país, continente, planeta e espaço sideral estava solitário – “estava”, por se tratar de uma cena transcorrida, porque prioritariamente sempre “estou” sem ninguém; minhas companhias fiéis: uma garrafa de aquarius fresh limão e um tic-tac azul, assim preparo a boca para um beijo o qual nunca se estreia.

Uns chegam a afirmar que sou seletivo demais, falam da receita de curtir a vida sem analisar tanto, a máxima de viver o momento. Acatando esses conselhos, imaginei o meu perfil na página de classificados: “Rapaz solteiro aluga-se para o Dia dos Namorados. Promete ouvir e cantar músicas de Ana Carolina, dormir de conchinha; demorar nos cafunés; mandar mensagens autorais e menos Ctrl+C – Ctrl+V no WhastApp; andar de mãos dadas, fazer suco de abacaxi com hortelã, dizer “mô” – “bem” – “neném”, dobrar os lençóis e ir a qualquer lugar num estonteante sorriso.”

Porém, quanto cobraria? Talvez uma centena de beijos, afagos. Talvez ser olhado nos olhos, bem rente, bem fundo. Talvez olhar para o céu e “brincar de fazer desenho em nuvem”. Talvez permanecer nus na cama a gastar o tempo, a sentir a toda a existência. Talvez, isto ou permitir o instante acontecer na ponta dos dedos, no sumo dos lábios, nos suores e eternidades. Entretanto, e o contratante, aceitaria de bom grado tais condições?

Na era dos likes, amor designa espécie rara – como para os Portugueses, os produtos da Índia. A maioria se define “disponível” e eu ainda acredito em estar “disposto”, em comungar de ideias e na palavra, lastimavelmente banalizada por alguns, “construir”. E se alguém estiver disposto a alugar-me, também posso estender para os feriados, férias e dias úteis e, antes que repercutam meu romantismo, “por toda uma vida”.

Abraão Vitoriano

Abraão Vitoriano

Formado em Letras e Pedagogia. Pós-graduado em Educação. Escritor. Poeta. Revisor de textos. Professor na Faculdade São Francisco da Paraíba e na Escola M. E. I. E. F Augusto Bernadino de Sousa.

Contato: abraaovitoriano@hotmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Abraão Vitoriano

Abraão Vitoriano

Formado em Letras e Pedagogia. Pós-graduado em Educação. Escritor. Poeta. Revisor de textos. Professor na Faculdade São Francisco da Paraíba e na Escola M. E. I. E. F Augusto Bernadino de Sousa.

Contato: abraaovitoriano@hotmail.com