header top bar

José Anchieta

section content

As chuvas e a crise hídrica

23/11/2014 às 12h30

As chuvas caídas, ultimamente, em Cajazeiras e em vários municípios sertanejos, trouxeram à tona, mais uma vez, a discussão sobre o problema do armazenamento das águas. Muitos produtores rurais voltaram a cobrar programas de construção de novas barragens e de desobstrução dos reservatórios atingidos pelo assoreamento. Além das poucas chuvas, a região sofre com a ausência dessas ações.

O nosso Sertão está chegando ao final do terceiro ano consecutivo de seca, e vê, a cada dia, a possibilidade de enfrentar um colapso no abastecimento, em caso de prolongamento desse período de estiagem, exatamente, porque não dispõe de água suficiente acumulada para o consumo. Algumas cidades, inclusive, já não têm água para beber, há vários meses, e estão na dependência dos carros pipa. Outras estão na iminência de enfrentar esse mesmo problema se não chover o suficiente logo no início do ano para a recarga dos mananciais.

As precipitações ocorridas nos últimos dias geraram um clima de alegria na região, diminuindo o forte calor e acumulando um pouco de água em algumas pequenas barragens, mas não o suficiente para elevar o nível dos grandes reservatórios que abastecem as cidades, a exemplo de Engenheiro Avidos e Lagoa do Arroz, em Cajazeiras.

As análises dos meteorologistas ainda não são animadoras sobre o início e regularidade do próximo inverno. Segundo afirmam, o que está acontecendo agora é apenas uma frente fria sobre o Atlântico, que se deslocou do sul da Bahia, o que não caracteriza, portanto, início da quadra chuvosa. Para eles, é preciso aguardar mais um pouco para se avaliar a possibilidade de inverno regular em 2015.

A verdade é que estamos diante de um cenário de incertezas, e não se vê um planejamento para se enfrentar mais um ano de seca. Além dos programas emergenciais para socorrer as comunidades mais afetadas, é preciso um programa de construção de obras para se acumular água no tempo das chuvas.

Nesse sentido, é fundamental se cuidar dos nossos reservatórios para a possibilidade de recarga. Os cajazeirenses e sertanejos clamam, há muito tempo, por obras de recuperação de Engenheiro Avidos, uma ação, inclusive, prometida desde o ano passado pelos órgãos competentes. Até quando vamos esperar pela execução desse e de outros projetos necessários para se receber as águas do São Francisco? Parece mesmo que a região vai continuar despreparada para conviver com esse fenômeno da seca, que tanto castiga a população.

Esse é, inegavelmente, um assunto recorrente. Os nossos leitores podem até estranhar a insistência. Mas é verdade também que há uma inquietação muito grande da população diante dos riscos de colapso no abastecimento, que tanto pode afetar a vida de todos. Por isso, a nossa insistência em colocar o tema em pauta. A sociedade precisa cada vez mais despertar para o problema, e cobrar as devidas políticas públicas de convivência com essa dura realidade.

José Anchieta

José Anchieta

Redator do Jornal Gazeta do Alto Piranhas, Radialista, Professor formado em Letras pela UFPB.

Contato: janchietacl@hotmail.com

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis

CADASTRAMENTO

VÍDEO: Prazo final para biometria na região de Catolé do Rocha é antecipado, e Justiça alerta eleitores

MITO DA INTERNET

VÍDEO: Fenômeno Gleyfy Brauly bate recorde de audiência no Xeque-Mate e canta sucessos no ‘imbromation’

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires

José Anchieta

José Anchieta

Redator do Jornal Gazeta do Alto Piranhas, Radialista, Professor formado em Letras pela UFPB.

Contato: janchietacl@hotmail.com