header top bar

Padre Djacy

section content

As pessoas querem ser amadas

16/10/2015 às 10h34

Por Padre Djacy Brasileiro

Eis que vos dou um novo mandamento: “amai-vos uns aos outros”, disse Jesus Cristo. Quando ele fala isso, é porque sabia que o ser humano, não importa quem, sente a necessidade extrema de ser amado, tratado com carinho, atenção, respeito. A pessoa humana, afinal, é feita de coração, de sentimento, de sensibilidade.

Como é bom querer bem as pessoas. Não custa nada amá-las, tratá-las com carinho, atenção, respeito, sobretudo aquelas pessoas pobres, excluídas, que nada têm a não ser a própria existência humana. São essas pessoas que mais clamam pelo nosso olhar de ternura, de compaixão, de solidariedade. Para esses irmãos excluídos, Jesus falara:     “vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” ( Mt,11,28). 

Quando a gente ama, nada diminui na nossa vida. Pelo contrário, crescemos interiormente. Ficamos mais felizes e em estado de harmonia. Numa palavra certeira: ficamos em paz com Deus, conosco e com os irmãos. Até a natureza sai ganhando, porque estamos na mesma barca do mundo natural.  Nada mais é do que a dinâmica do amor vertical e horizontal: eu e Deus; eu o outro, o tu; eu e a natureza, a natureza e nós.

É preciso que sejamos humildes para entrar amorosamente na vida das pessoas. A humildade nos leva a abrir o coração para o próximo, o meu irmão. Foi o que fizera o Bom Samaritano. Na sua humildade,  disponibilidade, socorreu o irmão agredido, doente, abandonado, quase morto. O amor daquele homem bom salvou aquela vítima da violência e da beira da morte. Só os simples, oshumildes, os desapegados, os puros, têm a capacidade de estar com o outro, caminhar com o outro, de olhar para o outro com o olhar do coração, da ternura e da compaixão, sem jamais olhar a quem e receber algo em troca: “amar que ser amado. Pois, é dando que se recebe”, dizia São Francisco sobre a beleza do amor ágape.

 Às vezes fico a questionar: pra que tanto orgulho, tanta arrogância, tanta prepotência, tanta vaidade? Para que serve a loucura frenética em busca de grandeza, de status, se a vida é tão breve e, o pior, nada levaremos?  Ora, quando corremos em busca desenfreada dessas coisas terrenas, ilusórias, esquecemos do irmão que clama pungentemente pelo nosso amor, pelo nosso carinho, pelas nossas mãos solidárias e sentimento de compaixão e misericórdia.  Com isso, será que muitos não perdem a oportunidade de juntar tesouro na Casa do Pai? “Vaidade das vaidades! Tudo é vaidade” (Ec 1:2).

Para os semideuses arrogantes, orgulhosos, prepotentes, que desprezam os humildes, os pobres, exatamente porque não conhecem o caminho do amor, valem estas palavras sábias e certeiras do salmo 48 (49): 

 Por que temer os que confiam nas riquezas * 
e se gloriam na abundância de seus bens? 
 Ninguém se livra de sua morte por dinheiro * 
nem a Deus pode pagar o seu resgate. 

A isenção da própria morte não tem preço; * 
não há riqueza que a possa adquirir,  nem dar ao homem uma vida sem limites * 
e garantir-lhe uma existência imortal.   Morem os sábios e os ricos igualmente; † 
morrem os loucos e também os insensatos,  
e deixam tudo o que possuem aos estranhos; 
 os seus sepulcros serão sempre as suas casas,  
suas moradas através das gerações, * 
mesmo se deram o seu nome a muitas terras. 

 Não dura muito o homem rico e poderoso; * 
é semelhante ao gado gordo que se abate.

Vale ressaltar, que amor não é romantismo, poesia, palavras bonitas e emocionantes. Amar é sair de si mesmo e ir ao encontro do outro, e do outro que clama pelo meu amor ágape. Amar é lutar para que o outro viva bem, com dignidade. É apoiar a luta dos pobres contra as injustiças, as desiguales e todo tipo de escravidão etc. Amar é ser solidário, ser humano, ter sensibilidade diante do sofrimento do irmão. É apoiar sua luta por libertação. O amor de Jesus pelos pobres foi o centro de toda sua vida: “eu vim para que todos tenham vida” (João, 10,10).

Sejamos humildes. Demos atenção a quem quer que seja. Abracemos as pessoas sofridas, excluídas, que nada têm nesta vida, repito.  Saiamos dos nossos bairros chiques, das nossas casas elegantes, e visitemos, como cristãos, as pessoas que moram nas periferias, nas favelas, no interior. Entremos nas suas casas. Conversemos com os seus moradores. Abracemos a todos. Nada de frescura. Visitemos as prisões, os hospitais, sobretudo os públicos. No julgamento, Jesus irá dizer:   “vinde, benditos de meu Pai para o reino, porque tive fome, e me destes de comer; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me”(Mt 25:31-46).

 Queiramos bem a todos. Nada de individualismo. Partilhemos. Sejamos solidários, fraternos, irmãos. Não pensemos só em nos mesmos, no nosso mundo, no nosso castelo pessoal. Compartilhemos com os pobres o que podemos compartilhar: o amor, a ternura, o calor humano e até mesmo os bens materiais. Não custa nada sair de si em direção ao outro. São João da Cruz assim expressava: “no entardecer da vida, seremos julgados pelo amor”.

 Quando uma pessoa humilde, que vive no desprezo da vida, por nada ter, recebe amor, carinho, atenção, ela se sente gente, importante, considerada e amada. Por que os pobres, os excluídos, os sem nada na vida, corriam atrás de Jesus? Porque sentiam-se amadas pelo Senhor. Era o amor (amor libertador) de Jesus pelos pobres que o tornava admirado, querido, respeitado e tratado com autoridade: “quando Jesus deixou o barco, viu numerosa multidão; sentiu-se movido de grande compaixão pelo povo, e curou os seus doentes (Mt 14: 14).

Jesus não oferecia dinheiro nem outro  bem material aos pobres. A única coisa a dar-lhe era o amor. Jesus os amava incondicionalmente. Era esse amor profícuo que o fazia famoso. Jesus  tinha doutorado no amor. E por ser doutor na arte sublime de amar, deixou-nos o mandamento do amor: “um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como Eu vos amei ( João 13,34).

Padre Djacy Brasileiro, em 10 de  outubro de 2015

E-mail: padredjacy@hotmail.com
Twitter: @Padredjacy

Padre Djacy

Padre Djacy

Pároco da paróquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, da cidade de Pedra Branca, no Vale do Piancó, Diocese de Cajazeiras, Paraíba.

Contato: padredjacy@hotmail.com

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis

CADASTRAMENTO

VÍDEO: Prazo final para biometria na região de Catolé do Rocha é antecipado, e Justiça alerta eleitores

MITO DA INTERNET

VÍDEO: Fenômeno Gleyfy Brauly bate recorde de audiência no Xeque-Mate e canta sucessos no ‘imbromation’

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires

Padre Djacy

Padre Djacy

Pároco da paróquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, da cidade de Pedra Branca, no Vale do Piancó, Diocese de Cajazeiras, Paraíba.

Contato: padredjacy@hotmail.com