header top bar

section content

Cônego Sabino Coelho e a diocese

30/06/2014 às 20h57

Muito se tem falado da criação da diocese de Cajazeiras, neste ano de seu centenário. Mais ainda será escrito e comentado, também, em 2015, em reverência aos cem anos da posse do primeiro bispo, dom Moisés Coelho. Muitos fatores determinaram a escolha de Cajazeiras como sede de bispado, dentre eles a influência exercida por personagens da vida eclesiástica e política do Brasil e, em particular, da Paraíba.  Documentos, registros na imprensa, textos produzidos por historiadores, jornalistas, pesquisadores e memorialistas recordam episódios relacionados com a origem de nossa diocese, a segunda a instalar-se na Paraíba. Um privilégio. Não é disso, todavia, que desejo falar. Quero realçar o papel desempenhado pelo então cônego Sabino Coelho para viabilizar a diocese de Cajazeiras.

Sabino Coelho era filho de Raimundo Sezinando Coelho e Maria Lourença da Circuncisão e neto materno de Vital de Sousa Rolim, o pai do padre Inácio de Sousa Rolim. Raimundo Sezinando Coelho era filho do tenente Sabino Coelho, cearense do vale do Jaguaribe, que se instalou em Cajazeiras e casou com uma irmã do padre Rolim. O avô e o pai de monsenhor Sabino Coelho foram políticos de grande prestígio no tempo do Império e começo da República, tendo, ambos, desempenhado funções de relevo na malha do poder àquela época. O avô, tenente Sabino (hoje nome da rua que virou calçadão), preferia ser delegado de polícia, o que não era pouca coisa, sendo um cargo imperial que enfeixava enorme poder no mando político local. O pai administrou Cajazeiras na condição de presidente do Conselho Municipal. Raimundo Sezinando Coelho integrava as hostes do Partido Liberal, controlado pelo Comandante Vital Rolim, seu tio, e pelos Couto Cartaxo, cuja figura de maior projeção foi Antônio Joaquim do Couto Cartaxo, o primeiro deputado federal de Cajazeiras.

Por que recordo tais coisas?

Para realçar que monsenhor Sabino e seu irmão mais moço, dom Moisés Coelho, eram figuras integrante do bloco familiar e político dominante em Cajazeiras. Portanto, ninguém melhor do que Sabino Coelho para cumprir a missão de viabilizar materialmente a futura diocese. A decisão de sediá-la em Cajazeiras já estava tomada, embora não oficializada. Carecia de patrimônio. Por isso dom Adauto de Miranda Henriques lhe deu, em março de 1913, a incumbência de agenciar “donativos, fundar o patrimônio da diocese de Cajazeiras.” Missão da qual o cônego Sabino cuidou com desenvoltura. Após um ano de andanças pelo sertão, o ilustre conterrâneo amealhou quase 37 contos de réis, quantia suficiente para permitir a operação inicial da diocese. Parcela de 25 contos foi a contribuição de Cajazeiras, disparada a maior, como não poderia deixar de ser. Cônego Sabino se saiu muito bem da importante e dificílima empreitada, “após onze meses de incessante labutar, sob a inclemência de um sol ardente, num percurso de 500 léguas a cavalo”, quando percorreu as freguesias que integrariam a nascente diocese de Cajazeiras, conforme suas próprias palavras, em relatório dirigido a dom Adauto.

Aquela quantia arrecadada era significativa? Sem dúvida. Mas nada comparável ao enorme patrimônio oferecido à Santa Sé, pelo padre Cícero Romão Batista, ao tentar seduzir Roma para sediar em Juazeiro a futura diocese do Cariri, por ele pleiteada, e não no Crato, como já estava decidido. Mas isso é outra história.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com