header top bar

José Antonio

section content

Juiz Walter: presença marcante na História de CZ

15/12/2017 às 09h46

Centenário de nascimento do desembargador Walter Sarmento é comemorado no TJPB / Fotos: Ednaldo Araújo / TJPB

Aconteceu neste dia 07 de dezembro, na cidade de João Pessoa, uma solenidade comemorativa do Centenário de Nascimento do Desembargador Walter Sarmento de Sá, que foi juiz em Cajazeiras, no período de 24 de novembro de 1960 a 22 de agosto de 1967.
A solenidade foi presidida pelo Desembargador Joás de Brito Pereira Filho, que fez a entrega de uma placa comemorativa a Iery Pires de Sá Macedo, filha do homenageado.

Coube ao desembargador Marcos Cavalcanti, presidente da Comissão de Cultura e Memória do Tribunal de Justiça da Paraíba, traçar o perfil de Walter Sarmento, ressaltando: “Foi um grande juiz. Dedicou-se a magistratura paraibana com muita dignidade e altruísmo; um magistrado corajoso e exemplar, que honrou a toga por toda a sua vida”.

Em nome da família falou Walter Sarmento Filho: “É uma homenagem justa a um homem que tanto amou e tanto trabalhou pela Justiça do nosso Estado. É um reconhecimento a um juiz que, por onde passou, deixou um rastro de Justiça. Então, pra nós, da família, este evento é um momento dignificante”.

A presença do juiz Walter Sarmento em Cajazeiras teve um significado todo especial, nos quase sete anos de harmoniosa convivência, pois se irmanou de tal forma na vida social da cidade que chegou a ocupar a diretoria de várias entidades, dentre elas as de presidente do Cajazeiras Tênis Clube e do Rotary Clube de Cajazeiras, no biênio 1966/1967, além de se envolver em todas as lutas e conquistas do povo de Cajazeiras.

Walter Sarmento também se dedicava em Sousa, sua terra natal, as atividades literárias e de resgates históricos ao escrever para a Revista Letras do Sertão, ao lado de Deusdedit Leitão, Eilzo Matos, Julieta Pordeus e Sergio Fontes. Na edição de número 24, de outubro de 1965, publicou um discurso que proferiu na solenidade de homenagem ao Desembargador Antonio do Couto Cartaxo, neto do grande e imortal cajazeirense Dr. Antonio Joaquim do Couto Cartaxo, no auditório do Fórum de Cajazeiras, em 31 de julho de 1962.

Nesta ocasião foi introduzida uma fotografia do homenageado na galeria do Fórum, que infelizmente não sabemos de seu paradeiro.
Foram muitas as ações e gestos deste juiz que relevantes serviços prestou em cajazeiras, distribuindo com honradez e honestidade a justiça para todos, além de se incorporar na vida social da cidade.

Walter Sarmento nasceu em 18 de dezembro de 1917, na Fazenda Juruá, município de Sousa e é digno também ter sua fotografia na Galeria da História dos grandes juízes que serviram com dedicação, zelo e carinho ao povo de Cajazeiras.

Precisamos fazer este resgate, fato que honrará a história do judiciário de nossa cidade.

“Nascido em Sousa a 18 de dezembro de 1917, filho de Azarias Sarmento de Sá e Joaquina Custódia de Sá. Bacharel em Direito pela Faculdade do Recife, colou grau no dia 13 de dezembro de 1945. Iniciou suas atividades públicas como secretário da Prefeitura Municipal de Sousa, onde exerceu, posteriormente, os cargos de delegado Regional de Polícia e promotor Público.

Ingressou na Magistratura como juiz de direito de Antenor Navarro, nomeado a 30 de abril de 1954. Foi promovido para a Comarca de Pombal em 27 de maio de 1960. Daquela Comarca foi removido, a pedido, para Cajazeiras no dia 24 de novembro de 1960. De onde saiu para Campina Grande, promovido para a 4ª Vara, conforme ato de 23 de agosto de 1967. Posteriormente, por ato de 14 de fevereiro de 1968, foi removido, a pedido, para a 7ª Vara daquela Comarca.

Era titular da 1ª Vara de Campina Grande quando, a 16 de março de 1971, foi removido, a pedido, para a 11ª Vara da Capital, onde exerceu, como titular, o cargo de juiz de direito da 1ª Vara, para a qual foi removido em 6 de setembro de 1972. Foi nomeado desembargador a 18 de setembro de 1987. Permaneceu como membro do Tribunal de Justiça até 17 de dezembro de 1987, quando foi aposentado por ter atingido a idade limite para permanência no serviço público. Faleceu em João Pessoa, no dia 9 de abril de 1994. Foi casado com a professora Laurita Pires de Sá”.

Sempre tive uma admiração muito grande pelo juiz Walter Sarmento, que por diversas vezes esteve presente na casa de meus pais (Arcanjo e Mãezinha), nos momentos festivos e das visitas de cortesia.

Acho que a cidade de Cajazeiras precisa se irmanar e prestar também ao nosso querido juiz uma homenagem centenária.
Como juiz foi de uma conduta exemplar, como cidadão se misturou ao povo de Cajazeiras nas suas lutas e anseios.

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

VÍDEO

Coordenador da Energisa garante melhoria e dá dicas sobre ‘queda’ de raios durante o período de inverno

ENTREVISTA

No Xeque-Mate, corretor avalia que Cajazeiras é melhor do que Sousa para investir no mercado imobiliário

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os membros da Associação dos ciclistas de Cajazeiras e região; Confira!

ADVERSÁRIOS ETERNOS

Breckenfeld diz que nunca será candidato a prefeito de São João nem aliado de Zé Aldemir: “Chance zero”

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br