header top bar

Francisco Cartaxo

section content

O jumento sedutor vem aí todo enfeitado

04/08/2014 às 16h34

Ariano Suassuna viajou no dia 23 de julho. Não voou por medo de avião. Resistia a subir num bicho daqueles e olhar do alto o buraco imenso lá em embaixo. Preferia a buraqueira das estradas. Por isso foi a cavalo. Ele pós os arreios no animal, amarrou bem a cela, vestiu o gibão, pendurou um bornal de couro cru, não sem antes conferir mais uma vez o conteúdo, pulou na sela, enfiou o chapéu de aba quebrada na frente. E, já escanchado, o pé no estribo, solta o grita: 

– Ei, magote de desocupado, vou-me embora. 

E se foi. O grito ecoou tão alto, tão alto que foi bater na Pedra do Reino, ressuscitou o pai, João Suassuna na Fazenda Acauã, despertou João Grilo em Taperoá, fez Chicó se benzer diante do bispo e do padre. O grito acordou a mulher do padeiro e o próprio. Junto do Rei Degolado, Quaderna, o Decifrador, fala da Onça Caetana, de muitos viventes da lavra literária de Ariano, espalhados embaixo ou em cima da terra, no sertão de Guimarães Rosa, verde e cheio de rios, nos outros sertões. Fala do Brasil oficial e do Brasil real. Quaderna fala também do Brasil ignorante, onde predominam asneiras e burrice, a moça da televisão, extasiada diante do alvoroço causado pelo grito, a descobrir que existe um tal de Adriano Suassuna… 

Ufa, a voz rouca de Ariano ribombou mundo afora. 

Mas que diabo Ariano meteu naquele bornal de couro cru?

O jumento sedutor. 

Isso mesmo. Não se espante. Ariano guarda surpresas desde sempre. A última ele deixou na Editora José Olympio, no Rio, no formato do livro: O jumento sedutor. Vem aí uma obra-prima, na avaliação, (suspeita, é bem verdade), do escritor Raimundo Carrero, autoproclamado filho intelectual de Ariano. Daí a suspeição. O jumento sedutor é o derradeiro escrito de Ariano, mexido e remexido ao longo de muitos anos, seguindo a lição das lavadeiras de antigamente, ensaboa a roupa, bate na pedra, molha outra vez, espreme, bota no quarador, lava de novo, bate na pedra, enxágua etc. etc., como ensinou Graciliano Ramos. Tanto é assim que duas vezes Ariano pediu de volta da Editora o calhamaço. E duas vezes, burilou o texto, cortou e aduziu palavras e desenhos. Isso mesmo, o livro está recheado de gravuras feitas pelo próprio Ariano. No capricho.

Afinal, o livro trata de quê? 

Uma Revelação, diz Carrero, depois de ler os originais. “Não é uma novela, não é também um romance, por aquilo que supera em muitos pontos o que se diz numa obra de ficção, com os seus seres transtornados, felizes e as almas sacrificadas. É mesmo uma Revelação ao trazer o espírito vivo, mágico, grandioso do verdadeiro Brasil”. Construído numa mistura de técnicas narrativas, de símbolos, metáforas, com gente e jeito de circo e do romanceiro popular, tudo carregado de vida, amor e morte. 

O imortal viajou coma Onça Caetana na garupa, ela disfarçada de uma fêmea, entre delírios e prodígios a lhe exibir agressivamente os peitos. E ele, fascinado, beija-os, e, ao mesmo tempo em que os morde, é picado pela cobra-coral, enrolada feito um colar úmido no pescoço da Moça Caetana. Então, ele é fulminado nos estremeços obsenos da morte. Assim se foi entre o gozo e a morte, a estremecer todo, cerrando os dentes, abrindo e fechando a boca no espasmo do Gavião. 

Foi de vez, mas ficará para sempre eternizados em seus personagens. Como sonhou.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente

MARIA CALADO NA TV

Com muita irreverência, banda Gata Dengosa estoura a audiência no programa Maria Calado na TV; ASSISTA!

ENTREVISTA

VÍDEO: Artista sousense que impressionou o público com suas pinturas fala sobre sua obra e trajetória

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com