header top bar

section content

O mensalão fez bem ao Brasil?

19/06/2017 às 09h41 • atualizado em 19/06/2017 às 09h42

Por que o mensalão? Fui questionado assim por um leitor: melhor seria falar do governo-tampão de Temer, da absolvição da chapa Dilma/Temer pelo TSE ou do desempenho do ministro paraibano Herman Benjamin, relator do processo. Ou, disse ele com ironia, você deveria baixar o teto e embarcar na propalada linha aérea comercial para Cajazeiras. Tema não falta, amigo. Alguns até muito instigantes. Desculpa, mas persisto no mensalão porque estou convencido de que nos ajuda a entender melhor o cruel realismo do Brasil de hoje. Portanto, impossível desprezar o papel fundamental exercido pelo mensalão, ao desencadear correta ofensiva contra a corrupção.

Por isso, sigo com o mensalão.

O processo judicial do mensalão durou quase nove anos. Dos 38 réus investigados na Justiça, 24 foram condenados, um teve seu caso remetido à primeira instância. Dos 13 absolvidos, cito Duda Mendonça, Professor Luizinho e Paulo Rocha, deputados petistas. Entre os condenados, as maiores penas ficaram no chamado núcleo publicitário, composto de cinco réus, à frente dos quais Marcos Valério, que pegou 37 anos de reclusão. Os três criminosos do núcleo financeiro sofreram penas de quase 15 anos, como as que foram aplicadas a dirigentes do Banco Rural – Kátia Rabelo e Ricardo Salgado. O núcleo dos operadores, cinco ao todo, (tesoureiros de partidos, doleiros e um diretor do Banco do Brasil) recebeu penas menores.

O núcleo político reunia o maior contingente (onze ao todo) sob o comando de José Dirceu. Destaque para o tesoureiro Delúbio Soares, os deputados José Genuíno, o ex-presidente da câmara federal, João Paulo, (do PT), além dos deputados de partidos da base apoio ao governo Lula, quatro do PP e três do PTB, como Roberto Jefferson, Waldemar Costa Neto, Bispo Rodrigues, Pedro Correia. As penas individuais deste bloco ficaram aquém de 10 anos, incluindo a de José Dirceu que pegou 7 anos e 11 meses. Em síntese, dos 40 indiciados houve 24 condenações.

Que crimes praticaram?

Eles foram condenados pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, peculato, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta. Até então, o mensalão foi o maior processo transitado em julgado no judiciário brasileiro, pelo número e importância dos réus e dos condenados, pela natureza dos crimes e representatividade social dos indiciados no cenário político da República. Outro aspecto significativo: a ampla cobertura da mídia, que transmitiu ao vivo os debates travados no Supremo Tribunal Federal, chegando a escandalizar o mundo lá fora.

Um dos efeitos da Ação Penal 470 é o estímulo a mudanças na percepção das pessoas. Ao botar engravatados na cadeia, o mensalão despertou esperanças de punições, reduzindo a sensação permanente de impunidade. E mais, estimulou a adaptação da legislação penal aos novos tempos, como ocorreu com a regulamentação da figura penal da colaboração premiada.

Sem o mensalão haveria a lava jato?

Sem aquela alteração a lava jato não teria chegado ao âmago do processo de corrupção, protagonizado por grandes grupos empresariais em conluio com os partidos políticos, estabelecendo relação promíscua com o poder. Promiscuidade que afeta o funcionamento das instituições democráticas, distorcendo a vontade popular expressa no direito do voto. Vale dizer, esculhamba a democracia.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Escritor, filiado União Brasileira de Escritores/PE, ex-secretário de Planejamento da Paraíba, ex-secretário-adjunto da Fazenda de Pernambuco, ex-secretário-adjunto de Planejamento do Recife, Articulista semanal do jornal Gazeta do Alto Piranhas, de Cajazeiras, Consultor associado à CEPLAN, Consultoria Econômica e Planejamento.

Contato: cartaxorolim@gmail.com