header top bar

section content

Para além do pão e do circo

31/05/2014 às 14h47

Eu quis cantar
Minha canção iluminada de sol
Soltei os panos
Sobre os mastros no ar
Soltei os tigres
E leões nos quintais
Mas as pessoas da sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer…
Caetano Veloso/Gilberto Gil)

Os romanos, como forma de manter a população sob o julgo de seus governantes, estimulavam e organizavam grandes espetáculos circerses, sobretudo, as lutas entre gladiadores. Também estabeleciam a distribuição de rações alimentares, em quantidade mínima, mas suficiente para amortecer a fome e a insatisfação popular. A população, amortecida pelos sangrentos combates nas arenas, onde a vida de lutadores eram decididas por gestos e vontades de cézares, negligenciavam a reclamação de suas precárias condições de vida. Uma realidade que cunhou a famosa expressão latina panis et circenses que, numa tradução literal, é entendida como pão e jogos circenses e, na linguagem corrente, apenas pão e circo.

Essa herança romana foi e continua sendo, em diversos contextos, uma eficiente estratégia de governantes para exercer o poder sem a participação popular, mas recebendo da população o conssentimento que permite, em muitas curcunstâncias, a subserviência que restringe direitos e silencia autonomia. Uma clara expressão dessa prática pode ser referenciada, na nossa conmtemporaneidade, nos investimentos que governantes empreendem para a promoção de espetáculos, como carnaval, festas juninas e congêneres. Eventos que são patrocinados por investimentos públicos, em grandes somas desviados de áreas prioritárias e essenciais, como saúde, educação, segurança, moradia, mobilidade urbana,  e que são investidos para, como nos grandes circos romanos, saciar o sentimento narcísico do governante e silenciar o ronco de barrigas e carências de cidadania da população.

Essas ponderações me ocorrem quando leio a decisão da prefeita de Cajazeiras em não patrocinar, com recursos do tesouro municipal, a festa de São João na cidade, no tradicional espetáculo do Xamegão. Não conheço a prefeita pessoalmente e, na perspectiva política, não tenho nenhuma afinidade com suas posições políticas e partidárias. Além disso, alimento inúmeras restrições a sua administração, por não vislumbrar, até o momento, uma intenção concreta e consequente de realizar um planejamento administrativo que instituia políticas públicas eficientes e operacionalizáveis, que dêem um direcionamento de governo além de um mandato e que sejam compatíveis com as demandas e carências que a cidade e todo o município apresenta, neste momento.

Também não vi, em sua posição de não patrocinar, com os recursos públicos municipais, a festa junina na cidade, nenhuma intenção mais séria em trazer para o conhecimento público, a situação concreta do município e como se apresenta a relação entre arrecadação e investimentos e despesas públicas. Além disso, não se observa nenhum movimento no sentido de trazer para a discussão, de maneira serena e ética, os erros e equívocos que foram cometidos, possibilitando que, num debate sincero e desapaixonado, a caixa preta que, em muitos momentos, envolve contas e finanças públicas, seja escancarada. Também não senti firmeza suficiente para que o gesto de não realizar o Xamegão com os recursos públicos se converta numa atuitude política que extrapole a mesquinha fronteira do revanchismo e da perseguição pessoal ou partidária. Os cochichos e fuxicos que gravitam nas franjas e dobras dessa questão não podem ofuscar ou obscurecer a importância política que essa atitude pode assumir como indício de uma mudança política e de uma prática administrativa que extrapole e vá além do polegar dos cézares sinonimizando a vida ou a morte dos seus súditos. 

Mariana Moreira

Mariana Moreira

Professora Universitária e Jornalista

Contato: altopiranhas@uol.com.br

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Mariana Moreira

Mariana Moreira

Professora Universitária e Jornalista

Contato: altopiranhas@uol.com.br