header top bar

Padre Djacy

section content

Ser esquerdista

22/08/2016 às 12h41 • atualizado em 22/08/2016 às 12h44

Tento dar minha humilde parcela de contribuição para que tenhamos um país mais justo, humano, solidário, como expressão visível, palpável, do Reino de Deus

Tento dar minha humilde parcela de contribuição para que tenhamos um país mais justo, humano, solidário, como expressão visível, palpável, do Reino de Deus

Esse termo soa mal para muita gente, inclusive para alguns cristãos, que se dizem seguidores fieis de Jesus Cristo. No geral, muitos o concebem como sendo uma ideologia perigosa, feito granada a explodir. Para isso, não faltam adjetivos pejorativos. As pessoas de espírito esquerdista são tratadas como subversivas, fora da Lei, agitadoras, baderneiras, arruaceiras, politiqueiras, comunistas etc.

Infelizmente, numa sociedade reacionária, permeada pelas ideologias da direita, onde o povão é tratado como massa de manobra e não tem consciência de sua cidadania, o cidadão que tem espírito esquerdista passa a ser considerado muito perigoso, nocivo à sociedade, às instituições etc. Não é por acaso que é mal-visto, mal interpretado, ironizado, julgado e condenado pelos “fariseus” de plantão.

Afinal, o que é ser esquerdista? O que visa essa ideologia, quer no âmbito político, econômico, social, cultural e religioso? O que pretende uma pessoa, um grupo, um partido político, com essa visão dita revolucionária?

Nada de artigo intelectualizado, até porque não faz parte do meu feitio acadêmico. Serei objetivo, breve e realista. Quero somente expressar o que concebo como ser de esquerda, sobretudo nos tempos atuais.

Então, afinal, o que é ser esquerdista?

Na minha concepção, ser esquerdista nada mais é do que posicionar-se em defesa dos mais pobres, dos injustiçados, dos excluídos, dos sem vez e sem voz. É assumir, de forma radical, incondicional, causas que visam a libertação integral do povo historicamente massacrado, excluído, esquecido, tratado com desdém, que vive à margem da cidadania e, por que não dizer, de sua própria dignidade humana.

Ser esquerdista é apoiar a luta dos movimentos sociais em defesa da justiça social, do bem-estar de cada cidadão e cidadã.

Ser esquerdista é ter visão crítica, libertária, visando, com isso, o bem-estar do povo.

Ser esquerdista é gritar, bem alto, contra as desigualdades sociais, contra todo tipo de exclusão, que massacra a dignidade da pessoa humana.

Ser esquerdista é lutar pelo resgate da cidadania. É fazer com que o cidadão, a cidadã, tenha seus direitos inalienáveis respeitados etc.

Ser esquerdista é fazer com que os cidadãos não sejam tratados como massa de manobra, boiada etc. É lutar para que os mesmos sejam libertos da praga da alienação religiosa e das mãos dos velhos coronéis políticos.

Ser esquerdista é abrir a consciência do povo, mostrando-lhe seus direitos inalienáveis, como direito à saúde, educação, segurança, saneamento básico, moradia, emprego, salário justo etc.

Ser esquerdista é dizer para o povo sofrido, massacrado, violentado nos seus direitos mais elementares: Una-se e lute pelos seus direitos, não fique calado, acomodado, dormindo no ponto. Vãos às ruas, avenidas, e gritem, e clamem… Vocês são cidadãos, portadores de direitos constitucionais.

Ser esquerdista é ensinar o povo a lutar, a bradar, em defesa dos seus direitos mais elementares como saúde, educação, moradia, segurança, saneamento básico etc.

Ser esquerdista é fazer com que o povo tantas vezes tratado como boiada ou massa de manobra tenha consciência crítica, portador de visão politica libertária, promovedora, inclusiva.

Ser esquerdista é não se conformar com uma sociedade que exclui, discrimina, despreza, ignora as pessoas pobres, humildes, negras, faveladas, idosas, doentes etc.

Ser esquerdista é lutar contra um sistema econômico que não prioriza a pessoa humana, o seu ser, mas, unicamente, exclusivamente, o lucro, o ter mais etc.

Ser esquerdista é lutar contra a cultura do descarte, do desprezo humano, onde a pessoa humana não vale pelo que é, mas pelo que tem.

Ser esquerdista é dizer não a alienação religiosa, é ser contra a manipulação da fé cristã.

Ser esquerdista é questionar a Politica, a Economia a Cultura, a Religião, com as seguintes perguntas: quais seus planos, suas estratégias, seus rumos, seus objetivos, seus interesses, suas propostas, seus direcionamentos, a quem serve, estar a serviço de quem, quais são seus efeitos maléficos e benéficos, quem usufrui etc.

Ser esquerdista é lutar por políticas públicas voltadas para a população pobre, sofrida.

Ser esquerdista é lutar para libertar o povo das velhas oligarquias, do coronelismo político, do curral eleitoral, do voto de cabresto.

Ser esquerdista é opor-se, incondicionalmente, contra os sistemas políticos e econômicos que oprimem o povo.

Ser esquerdista é lutar em defesa dos valores democráticos, da cidadania, da liberdade de expressão, dos direitos inalienáveis das minorias etc.

Ser esquerdista é aplaudir os valores éticos e morais, que dignificam a pessoa humana.

Ser esquerdista é estar ao lado dos trabalhadores na sua por melhores salários etc.

Ser esquerdista é lutar renhidamente para que o povo tenha assistência médico-hospitalar decente, digna etc.

Ser esquerdista é lutar por emprego, por reforma agrária, por moradia, por saneamento básico, segurança.

Ser esquerdista é dizer não aos grandes meios de comunicação que têm como único objetivo manipular a consciência do povo, visando o status quo dos poderosos.

Ser esquerdista é lutar para que os governos elaborem políticas socioeconômicas inclusivas, visando atingir as classes menos favorecidas.

Ser esquerdista é votar em políticos populares, povão, que tenham história de luta em defesa da justiça, da cidadania, que apoiam as lutas dos movimentos sociais etc.

Ser esquerdista é não votar em políticos ligados aos grandes grupos econômicos: latifundiários, empresários etc.

Ser esquerdista é lutar para que os filhos de pais pobres, humildes, possam ter educação de qualidade, e assim, chegar à Universidade.

Ser esquerdista é se apaixonar pela justiça social, e por ela dar seu tempo, seu sangue, sua vida. É um ser um baluarte da vida.
Se ser esquerdista é tudo isso que visa a libertação do povo oprimido, pobre, injustiçado, escravizado, espoliado em seus direitos inalienáveis, então faço questão de ter esse espírito revolucionário tão nobre, eficaz, bonito, digno, e por que não dizer cristão?

É com essa postura crítico-revolucionária que, como cidadão e pastor cristão, tento dar minha humilde parcela de contribuição para que tenhamos um país mais justo, humano, solidário, como expressão visível, palpável, do Reino de Deus.

Padre Djacy Brasileiro, em 19 de agosto de 2016.

Padre Djacy

Padre Djacy

Pároco da paróquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, da cidade de Pedra Branca, no Vale do Piancó, Diocese de Cajazeiras, Paraíba.

Contato: padredjacy@hotmail.com

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula

Padre Djacy

Padre Djacy

Pároco da paróquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro, da cidade de Pedra Branca, no Vale do Piancó, Diocese de Cajazeiras, Paraíba.

Contato: padredjacy@hotmail.com