header top bar

section content

Todas as paixões

31/12/2015 às 15h37

Por Mariana Moreira

E todos esperam que, nos parcos escritos, em dias que anunciam o novo ano, abundem palavras vãs sobre sentimentos artificiais, enquadrados nos rituais e etiquetas sociais, e em nada favorecem nossa perspectiva humana. Aos invés de palavras organizadas em votos de paz e saúde para os novos dias que se ensaiam, meu desejo é que todos consiguam expressar, em gestos, atitudes e pensamentos, a plenitude do verdadeiro sentido do apaixonar-se. A paixão não como sofrimento, tortura, dilaceramento;  mas, arrebatamento, entisuasmo, exaltação.

A paixão que nos ensina o sentido do amor enquanto laço de unidade entre irmãos. É preciso estar apaixonados para enxergarmos o outro enquanto semelhante na figura maltrapilha do homem de rua, do desvairado pela droga, do dilacerado pela prostituição, do deformado pela doença, física e/ou social. A paixão que, no sereno rosto de Teresa de Calcutá, acolhia, abraçava, aconchegava, pelas ruas, becos e misérias, deserdados da sorte, do mundo, dos poderes. Paixão de não se enojar com os fétidos odores que contagiavam narinas e sentidos com as purulentas secreções que nossa racional expressão de desenvolvimento esconde em monturos e dejetos que, de vez em quando, se revelam em Bhopal e Mariana.

A paixão pela vida que se extingue em espécies encantadas, definitivamente, pela irracionalidade de um crescimento econômico depredador. Amar o cão abandonado na rua, o galo de campina em sua teimosia de sobreviver a gaiolas, arapucas e contrabandos.  A paixão em silenciar motosserras e apagar queimadas anuladoras de serrados, caatingas, amazonias. Paixão de abraçar as sementes da paixão que, nas mãos e silos dos pequenos agricultores, buscam enamorados em solos calcinados e agrestes de nossos sertões, na resistência cangaceira aos transgênicos receitados como alternativa única para a produção de grãos e vida.

O estar em permanente estado de paixão nos leva, semanalmente, a dedilhar teclas e chafurdar reminiscências, ideias, posturas e, em prosa, preencher o imprevisível espaço do branco com tipos, símbolos, significados. A paixão de escrever mesmo quando a fadiga e as atribulações cotidianas ofuscam o discernimento e turvam a escrita que teima em não seguir um traçado lógico. Ora, mas a paixão não se casa com a lógica. Essa última, aliás, “pariceira” de um tempo de racionalidade exacerbada que classifica a paixão como sintoma de doença, transgressão, desvio. E assim, seguindo a trilha da Clarice Lispector, preservo a paixão de escrever porque é e “era preciso tentar escrever sempre, não esperar um momento melhor porque este simplesmente não vinha”. E, valendo-me de Franz Kafka, ouso dizer que “uma pessoa só devia permitir fixar na escrita a sua autopercepção quando o puder fazer com a maior integridade, com todas as consequências secundárias e também com toda a verdade”.

Portanto, o desejo que me move, neste clima de confraternização, é que, em nenhum momento de nossa existência, nos desgrudemos da nossa capacidade de apaixonar-se, de forma verdadeira e singela. Com todo ardor, enlevo, entusiasmo. Afinal, “De que vivermos se não de paixões?”, nos interroga Carlos Drummond de Andrade. 

Mariana Moreira

Mariana Moreira

Professora Universitária e Jornalista

Contato: altopiranhas@uol.com.br

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

Mariana Moreira

Mariana Moreira

Professora Universitária e Jornalista

Contato: altopiranhas@uol.com.br