header top bar

Francisco Cartaxo

section content

Zé Cachaça e o delator Justino

05/03/2016 às 18h15 • atualizado em 07/03/2016 às 18h18

Construtor, delator da Andaime, Francisco Justino

Zé Cachaça e o delator Justino – Por Francisco Frassales Cartaxo

Ele mais parecia réu do que testemunha. Da tribuna do júri popular, o advogado massacrava José Carlos da Silva, vulgo Zé Cachaça, que vivia bêbado, estendido na calçada, onde, às vezes, dormia sem ser incomodado. Sempre havia alguém a lhe pagar uma bicada, quando não era o próprio dono da bodega que enchia o copo, para “equilibrar o fígado”. Zé Cachaça não era assim. Ficou assim, contam os mais velhos, depois de machucar o coração, desprezado, a mulher dos sonhos preferindo, pragmaticamente, um casamento de conveniência para assegurar o futuro. Então, José Carlos refugiou-se na cana. Por isso, o defensor do réu o tratava como enorme desdém.

Por quê?

Porque Zé Cachaça viu um homem tirar a vida de outro. Deitado no coreto da Praça da Matriz, ele presenciou o assassinato e reconheceu os dois. Só ele, mais ninguém. O delegado tomou a termo suas palavras, confirmadas depois perante o juiz na instrução do processo criminal. Zé agigantou-se. Disse tudo o que seus olhos enxergaram ao amanhecer do dia, o sangue a escorrer no patamar da igreja. Virou testemunha-chave. Daí porque o advogado armou a tese da defesa, atacando o infeliz Zé Cachaça, para desqualificá-lo como testemunha e, por esse caminho, negar a autoria do crime.

Como pode valer o depoimento de alguém que vive embriagado, dormindo aqui e ali, onde cai sem força? Que valor tem a palavra deste elemento (o advogado aponta para ele), que mal enxerga um copo de aguardente? Ora, senhores juízes de fato, até o apelido o desacredita: Zé Cachaça! E o causídico continuou nesse diapasão com o objetivo de desqualificar a testemunha. O réu, ali de cabeça baixa, olhos pregados no chão, a ruminar a cena do crime, o sangue na faca saindo da barriga, o tombo do corpo, o gemido final da vítima.

E os jurados?

Sabiam de tudo. Conheciam a verdade. O advogado, porém, insistia na tese da negativa da autoria do crime, baseado em erros banais do inquérito policial e tentando desmoralizar a única testemunha do ato delituoso. Mas José Carlos, bêbado ou não, falou a verdade: viu o homem enfiar a peixeira nas entranhas do outro. Desqualificar a testemunha nem sempre dá certo, como nesse caso de um excluído da sociedade pelo vício. O famoso advogado dessa vez perdeu feio. O assassino foi direto para a cadeia.

Pense, agora, na delação premiada de Francisco Justino.

Na Operação Andaime, Justino foi muito mais do que uma testemunha, como foi Zé Cachaça. Foi operador da organização criminosa, escolhido pelo chefe para desempenhar o papel de empresário de firmas fantasmas. Invisíveis? Invisíveis, uma ova! As Comissões de Licitações das prefeituras integrantes do conluio de delinquentes, as enxergavam muito bem. Ocorre que, quando Justino se viu como o único preso dos dez trancafiados no presídio de Cajazeiras, em junho de 2015, teve o estalo de salvar sua pele e de sua família. Usou então a faculdade aberta pela Lei de Organização Criminosa, de nº 12.850, de 2013, e tronou-se “colaborador premiado”.

Da mesma forma que Zé Cachaça, Justino disse o que seus olhos viram. E mais, o que ele mesmo praticou de malfeitorias, explicando tim-tim por tim-tim como tudo acontecia. A partir daí o ódio contra ele se espalhou pelos bares, em conversas de esquina e até na mídia. De eficiente operador do esquema de corrupção instalado no sertão do Piranhas, ele passa à condição de perigoso inimigo.

Agora é tarde, não adianta tentar desqualificá-lo. Nem muito menos pensar em eliminá-lo. Só iria complicar a situação do resto da organização criminosa, até daqueles que não sentiram o peso das grades. Ainda.

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior

XEQUE MATE

VÍDEO: Carlos Antonio declara pela 1ª vez publicamente apoio a Júnior Araújo; “é cancela fechada”

NO CALDEIRÃO POLÍTICO NA TV

Advogado fala da profissão, discute política e diz que Luciano Cartaxo é favorito nas eleições de 2018

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com o Ministério de Louvor: Fonte de água da vida

Francisco Cartaxo

Francisco Cartaxo

Contato: cartaxorolim@gmail.com