header top bar

section content

Zé Aldemir cobra apuração de denuncias de tortura de policias a jovem no CSU

O caso já está do Ministério Público, que já pronunciou-se que vai investigar, se for provada a tortura, o sargento agressor será punido dentro da Lei, podendo até ser preso e perder a farda.

Por

23/03/2009 às 15h28

O deputado estadual José Aldemir Meireles(DEM), esteve em audiência com o secretário da Segurança e Defesa Social, Gustavo Gominho, onde na oportunidade solicitou do secretário a apuração das denuncias da jovem Cícera Daiane Batista, de 22 anos, que teria sido violentamente torturada por um policial militar, na cidade de Cajazeiras.

A jovem contou que na última sexta-feira(20), teria ido ao Centro Social Urbano, que presta serviços públicos gratuitos à população para saber se sua carteira de identidade havia chegado. Lá, ela foi atendida pelo o sargento Anacleto e em seguida dispensada.

O deputado solicitou a abertura de um inquérito administrativo para apurar as denuncias e caso seja confirmado as acusações, que haja punição ao policial, que segundo o deputado tem que ser exemplo para os cidadãos e não ter comportamentos que denigram a imagem da policia paraibana, que tem prestado um serviço de excelente qualidade a população.

O caso já está do Ministério Público, que já pronunciou que vai investigar, se for provada a tortura, o sargento agressor será punido dentro da Lei, podendo até ser preso.

Até o momento nem o comando do 6º BPM e nem o sargento se pronunciaram sobre as denúncias.

Da Redação do Diário do Sertão

Tags:
CALDEIRÃO POLÍTICO

Radialista comenta a polêmica união do Prefeito de São João do Rio do Peixe com Ricardo Coutinho. VEJA

CASOS QUASE PERDIDOS

VÍDEO: Médico cajazeirense relata ‘milagres’ na sala de cirurgia que ‘resgataram’ pacientes da morte

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

A divindade de Cristo e do Espirito Santo é bíblica? Programa Evangélico tira dúvidas em relação ao tema

EX-POLICIAL MILITAR

VÍDEO: Antes de virar pastor, ex-policial diz que matava pessoas porque resolveu “tomar o lugar de Deus”