header top bar

section content

Gerência de Medicina Legal inicia exumação de corpo de PM morto em treinamento

O corpo do Cabo está enterrado no cemitério Parque das Acácias, no bairro do José Américo.

Por Luzia de Sousa

05/04/2016 às 09h56

A exumação foi iniciada nesta terça-feira

A Gerência Executiva de Medicina e Odontologia Legal (Gemol) da Polícia Civil da Paraíba iniciou, na manhã desta terça-feira (05), a exumação do corpo do cabo da Polícia Militar, Heide Carlos, que faleceu na última quarta-feira (30), no hospital de Trauma da Capital, após passar mal em um treinamento do Gate (Grupo de Ações Táticas e Especias) na segunda-feira (28).

O corpo do Cabo está enterrado no cemitério Parque das Acácias, no bairro do José Américo.

Segundo a PM, o cabo Heide passou mal após uma caminhada de 4 km pela BR-230, entre a sede da cavalaria da PM, no bairro do Cristo Redentor, e a sede do Gate, no Jardim Veneza, ambos em João Pessoa, na manhã de segunda-feira (28). Socorrido para o hospital de Trauma, o cabo Heide teve uma paralisia nos rins, que acabou gerando uma parada cardiorespiratoria e morreu. A exumação marcada para esta segunda-feira foi adiada por falta de pessoal da Gemol.

Ontem, em entrevista ao Portal MaisPB, o servidor público Carlos Moab, irmão do cabo-PM Heide Carlos, pediu que a Polícia Militar não atrapalhe as investigações. “Que deixem o trabalho fluir. Que deixem o trabalho dos peritos e todo processo fluir. Acredito que a corporação não tem nada a esconder”, disse Moab.

Substância e ‘bolsa desaparecida’
Uma substância estimulante pode ter provocado a morte do cabo-PM Heide Carlos Gomes durante treinamento da Polícia Militar, conforme o major Ferreira, comandante do Gate. A família do militar diz que a bolsa onde estaria a substância sumiu e que somente reapareceu no velório do cabo.

A família de Heide questiona o porquê de não ter sido realizado um exame para constatar se o cabo fez uso da substância. Também questiona o motivo de ter sido aberta uma sindicância e não um inquérito. O militar se preparava havia mais de um ano para o curso do Gate e, segundo familiares, tinha ótimo condicionamento.

Conforme familiares, Heide não fazia uso de substância alguma considerada proibida ou prejudicial à saúde. A família faz questão de destacar que não está acusando a instituição e nem ninguém, mas quer a apuração e os esclarecimento dos fatos. A exumação, conforme familiares, trará o verdadeiro motivo da morte.

MaisPB

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview