Notícias
07/10/2016 às 11h08 • atualizado em 07/10/2016 às 11h12

postado por: Priscila Belmont

VINGANÇA? Após derrota prefeito do Sertão demite funcionários e retira ônibus de universitários

O prefeito demitiu servidores de cargos comissionados que trabalhavam através de contratos, e, retirou transporte dos universitários.

O prefeito em exercício do município, Gemilton Souza

Três dias após a ressaca do resultado das eleições, o clima é tenso em São Bento – PB. O prefeito em exercício do município, Gemilton Souza (PSB), derrotado nas urnas pelo candidato, Dr. Jarques Lúcio (DEM), começou a semana demitindo servidores de cargos comissionados que trabalhavam através de contratos, e, retirando transporte dos universitários.

De acordo com informações recebidas, nem mesmo setores essenciais como a saúde e educação foram poupados. Funcionários contratados há cerca de três meses, estavam com os salários atrasados, foram demitidos sem nem uma explicação e não receberam pelos os serviços prestados.

Inconformado com a derrota obtida no ultimo domingo (2), Gemilton, ainda resolveu punir os universitários que precisam se deslocar para outras cidades. Segundo, Mayra Dantas, estudante de Licenciatura em História, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Caicó, quinze dias antes do período eleitoral, a prefeitura disponibilizava dois ônibus para transportar os estudantes, após as eleições os mesmos foram retirados de circulação.

Ainda segundo, Mayra, que fez o desabafo através da rede social, facebook, cerca de80 universitários que estudam em Caicó, serão prejudicados com a atitude do gestor, o mesmo acontece com os estudantes que viajam para Patos, que são em número ainda maior. Como os estudantes estão na metade do semestre, a única solução seria contratar um serviço de transporte particular para não perder o período.

Tal atitude mostra que a administração do prefeito Gemilton Souza, que tem pouco mais de dois meses a frente do município, corre contra o tempo para cobrir o prejuízo que teve nas urnas, com isso, persegue os funcionários e estudantes que, já estão se organizando para levar o caso ao Ministério Público (MP).

FONTE: São Bento em Foco

Deixe seu comentário