header top bar

section content

Sousenses falam sobre decisão do STF que considera prática da vaquejada ilegal. Vídeo!

A Vaquejada é uma atividade competitiva no qual os vaqueiros tem como objetivo derrubar o boi puxando o animal pelo rabo.

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

10/10/2016 às 13h41 • atualizado em 10/10/2016 às 13h52

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgou na quinta-feira (06) inconstitucional a lei cearense 15.299/2013, que regulamentava os espetáculos de vaquejada no estado. Com o entendimento da Corte Máxima do País, a vaquejada passa a ser considerada uma prática ilegal, relacionada a maus-tratos a animais e, por portanto, proibida.

A ação foi movida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e questionava, especificamente, a legislação cearense. Contudo, a decisão do STF poderá ser aplicada nos demais estados e no Distrito Federal. O julgamento, iniciado em agosto do ano passado, terminou com seis votos a favor da inconstitucionalidade e cinco contra.

A vaquejada passa a ser considerada uma prática ilegal (foto: Francisco França)

A vaquejada passa a ser considerada uma prática ilegal (foto: Francisco França)

Muito comum no Nordeste, a Vaquejada é uma atividade competitiva no qual os vaqueiros tem como objetivo derrubar o boi puxando o animal pelo rabo.

Nas ruas da cidade de Sousa, a TV Diário do Sertão ouviu algumas pessoas sobre o assunto e eles falaram sobre a decisão do STF considera prática da vaquejada ilegal. A maioria dos entrevistados preferiu não gravar. Seis pessoas foram consultadas por nossa equipe, quatro disseram que são a favor da vaquejada e duas revelaram que são contra o evento.

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio

REVELAÇÃO

VÍDEO: Emocionado, radialista fala de dificuldades na infância e revela que ‘amigo’ lhe ofereceu drogas

VEJA

VÍDEO: Gilvan de Andrade fala de experiência no Rádio em Cajazeiras e João Pessoa

VÍDEO

Padre anuncia reforma da paróquia São João Bosco de Cajazeiras a avalia atuação do bispo