Brasil
07/11/2016 às 11h19 • atualizado em 07/11/2016 às 11h21

postado por: Estagiário

Candidato é preso por usar ponto eletrônico durante Enem

Homem de 34 anos informou que era secretário municipal de saúde. Ele estava com equipamento de escuta preso ao corpo.

Candidato fazia prova em uma universidade e usava ponto eletrônico preso ao corpo com pontos de escuta nos ouvidos (Foto: Divulgação/PF)

Em Fortaleza, a Polícia Federal prendeu em flagrante um candidato que estava com um equipamento eletrônico preso ao corpo com pontos de escuta nos ouvidos, durante realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) neste domingo (6). Em depoimento, o homem de 34 anos disse que trabalha como secretário de saúde de um município cearense.

A delegada da PF Fernanda Coutinho, coordenadora regional do Enem no Ceará, disse que o candidato afirmou ser gestor em Alto Santo. Ao G1, a assessoria da Prefeitura de Alto Santo informou que está apurando o caso e que, até a noite deste domingo, não conseguiu contato com o atual secretário por telefone. Destacou ainda que é mantida “uma relação apenas profissional” e que o gestor não mora na cidade. A administração municipal acrescentou que vai aguardar a apuração dos fatos e que, “se confirmado o caso”, vai tomar as medidas e providências administrativas cabíveis.

A PF informou que o candidato foi identificado após deflagração da Operação Embuste, em Minas Gerais, que identificou que um dos candidatos beneficiados no esquema de fraude fazia prova em uma universidade no Centro de Fortaleza.

Ele foi encaminhado à sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Ceará e prestou depoimento.

O candidato responderá por crimes contra a fé pública, o patrimônio, a paz pública, dentre outros, perante a Justiça Federal na medida de sua participação. A PF acrescentou que o suspeito permanece preso, pois não cabe fiança.

Fraudes no Enem
A Polícia Federal realizou neste domingo operações em pelo menos 8 estados para combater fraudes contra o Enem, que acontece neste fim de semana.

Uma das operações foi conduzida pela Polícia Federal em Montes Claros (MG) e teve como alvo uma organização criminosa suspeita de fraudar processos seletivos para universidades e que teria também agido no Enem.

Chamada de “Embuste”, a operação cumpriu 28 mandados judiciais, sendo 4 de prisão temporária, 4 de condução coercitiva (quando alguém é levado para depor), 15 de busca e apreensão e outros 5 de sequestro de bens.
De acordo com a PF, a organização criminosa utilizava uma central de telefonia celular para repassar gabaritos de provas para candidatos. O principal alvo eram cursos de medicina.
“No decorrer das investigações, a Polícia Federal conseguiu identificar o repasse de gabaritos, mediante moderna central telefônica via celular, para candidatos situados em diversas partes do país, em evidente fraude ao Enem/2016”, diz a nota da PF.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, além do Enem o grupo já teria fraudado, em 2016, vestibulares realizados nas cidades de Mineiros (GO) e Vitória da Conquista (BA), realizados em outubro.

O Ministério da Educação e o Inep, órgão responsável pela aplicação do Enem, informaram que acompanham as operações da PF, mas que elas não afetaram a realização das provas neste segundo dia do exame.

G1

Deixe seu comentário




Mais Brasil