Notícias
23/11/2016 às 07h45 • atualizado em 22/11/2016 às 22h50

postado por: Estagiário

Senado aprova urgência para projeto de abuso de autoridade

Medida permite votação após 4 sessões; acordo prevê em 6 de dezembro. Antes de análise, tema será debatido em audiências com MP e Sérgio Moro.

Imagem Ilustrativa (Foto: Internet)

O Senado aprovou nesta terça-feira (22) um requerimento, assinado por líderes partidários, que coloca em regime de urgência o projeto que endurece as punições para autoridades que cometem abuso.

Com a aprovação do regime de urgência, o projeto pode ser colocado em votação no plenário após quatro sessões, segundo o Regimento Interno do Senado.

Mas o calendário anunciado pelo presidente Renan Calheiros (PMDB-AL), autor da proposta, prevê a votação no próximo dia 6, conforme acordo entre os líderes partidários.

O relator da proposta, senador Roberto Requião (PMDB-PR), que também defende a medida, ainda não apresentou parecer sobre o projeto.

Senadores contrários à proposta argumentam que o projeto poderá inibir as investigações da Operação Lava Jato.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, também são contrários ao projeto.

Investigado pela Lava Jato, Renan Calheiros vem defendendo a proposta. Para ele, a atual legislação sobre o abuso de autoridade, que tem mais de 50 anos, está “gagá” e precisa ser “atualizada”.

Nesta terça, ele disse que a proposta é importante para a evolução do país. “É muito importante que o Brasil evolua em relação aos outros países no sentido de que nós possamos punir, esteja onde estiver, o abuso de autoridade e há um esforço do Senado no sentido de que isso aconteça até o dia 15”, disse.

No entanto, o texto tem sido criticado por parlamentares e integrantes do Ministério Público que acreditam que o projeto pode atrapalhar investigações que envolvam políticos.

Nesta quarta-feira (23), o Senado realizará uma sessão temática para discutir a proposta.

Foram convidados o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, e o presidente da OAB, Cláudio Lamachia.

Em uma segunda sessão de debates, prevista para 1º dezembro, está entre os convidados o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal.

O projeto
A proposta prevê pena de um a quatro anos de prisão, além do pagamento de multa, para delegados estaduais e federais, promotores, juízes, desembargadores e ministros de tribunais superiores que ordenarem ou executarem “captura, detenção ou prisão fora das hipóteses legais”.

O texto também prevê punição para a autoridade que recolher ilegalmente alguém a uma carceragem policial e deixar de conceder liberdade provisória ao preso – com ou sem pagamento de fiança – nos casos permitidos pelo Código Penal.

A proposta também estabelece pena de um a quatro anos para a autoridade policial que constranger o preso, com violência ou ameaças, para que ele produza provas contra si mesmo ou contra terceiros.

Outros crimes de abuso de autoridade previstos pela proposta:

– Invadir, entrar ou permanecer em casas de suspeitos sem a devida autorização judicial e fora das condições estabelecidas em lei (pena de 1 a 4 anos);

– Promover interceptação telefônica ou de dados sem autorização judicial ou fora das condições estabelecidas no mandado judicial (pena de 1 a 4 anos);

– Obter provas, durante investigações, por meios ilícitos (pena de 1 a 4 anos);

– Dar início a persecução penal sem justa causa fundamentada (pena de 1 a 5 anos);

– Não fornecer cópias das investigações à defesa do investigado (pena de seis meses a 2 anos).

G1

Deixe seu comentário