Notícias
24/11/2016 às 09h40 • atualizado em 24/11/2016 às 10h24

postado por: Estagiário

Globo destaca caso do garoto de 10 anos que sofreu bullying em Cajazeiras. VEJA VÍDEO!

O garoto que vinha sofrendo bullying por mais de dez meses, “Ele me deu um murro no estômago. Na verdade ‘foi’ dois. E me jogou na parede, e assim ralei a minha perna”

Após matéria divulgada no Diário do Sertão, uma equipe da TV Paraíba, afiliada da Rede Globo no estado destacou o caso de suposto bullying que estaria acontecendo contra uma criança cajazeirense em uma escola da cidade. A equipe conversou com os pais da criança e com ela, que deu detalhes do ocorrido.

+ Pai denuncia agressão a criança de 10 anos dentro de sala de aula em Cajazeiras; “Não se alimentava para não vomitar após apanhar”

+ Diretora de escola citada em denúncia de agressão a criança de 10 anos em Cajazeiras explica caso e confidencia ‘ausência do pai’

O garoto que vinha sofrendo bullying por mais de dez meses, “Ele me deu um murro no estômago. Na verdade ‘foi’ dois. E me jogou na parede, e assim ralei a minha perna”, contou o menino.

Ele só veio revelar a situação de tortura depois que houve uma palestra sobre bullying na escola em que estudava. “Eu estava cansado de apanhar, de ser xingado, de ser humilhado, ai disse que queria falar, fui à frente da plateia e falei tudo”.

A criança relata bullying sofrido. (Foto: Reprodução / Globo)

A criança relata bullying sofrido. (Foto: Reprodução / Globo)

Após a palestra, ele contou todo o sofrimento que vinha ocorrendo em seu desfavor para os pais. Para Eduardo Jorge, o pai, foi um momento muito doloroso ao ver o relato do filho, pois, segundo ele, ele via nas lágrimas da criança todo o sofrimento que ele vinha passando.

Na reportagem, os pais da criança, que são divorciados, contaram que a direção da escola teria acusado os dois de serem ausentes na educação da criança.

Eles cobram posicionamento da escola e querem que a instituição ofereça acompanhamento psicológico para o menino. “Os pais do agressor são tão vítimas quanto a gente, e que esse serviço também seja ofertado a ele [o agressor], pois com certeza ele também precisa”, contou Fabrícia Rejane, mãe da vítima.

DIÁRIO DO SERTÃO com G1

Deixe seu comentário