header top bar

section content

Empresário é apontado como líder de quadrilha que atuava na PB e em PE

Segundo PC, suspeito liderava grupo que explodia caixas eletrônicos. Arsenal apreendido em novembro do ano passado pertencia a empresário.

Por Priscila Belmont

22/03/2017 às 16h16

Empresário é procurado pela Polícia Civil, apontado como líder de quadrilha que atuava na Paraíba e em Pernambuco (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um empresário, de 39 anos, foi identificado na manhã desta quarta-feira (22), como suspeito de liderar uma quadrilha especializada em explodir caixas eletrônicos nos estados da Paraíba e Pernambuco. Segundo informações da Polícia Civil, o suspeito é dono de um arsenal apreendido na cidade de Barra de Santana e Queimadas, ambas no Agreste paraibano, no mês de novembro do ano passado.

O empresário é suspeito de ser um dos líderes desta quadrilha e teve mandado de prisão expedido pela Justiça. Ele está foragido e a polícia pede que se alguma pessoa souber o paradeiro do homem, ligue para o Disque Denúncia 197.

Na ocasião, a polícia apreendeu, munições, explosivos, máscaras de palhaços, seis fuzis, uma submetralhadora, cinco pistolas e nove coletes à prova de balas. Entre os explosivos, pelo menos 29 dinamites com detonadores estavam nos materiais.

Ainda conforme a Polícia Civil, o empresário atua em Campina Grande, no ramo de revenda de gás de cozinha e similares. A investigação já durava meses e após exames periciais ficou constatado que as armas apreendidas serviam a uma quadrilha que explodia caixas eletrônicos. Dentre os armamentos estavam fuzis de fabricação russa.

G1

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’