header top bar

section content

Justiça fixa multa diária de R$ 500 mil a manifestantes no entorno da PF em Curitiba

Ordem cita que movimentos sociais, pró e contra Lula, estão descumprindo liminar anterior que impedia montagem de acampamentos e prejuízo ao trânsito de pessoas. Juiz fala em evitar força policial.

Por G1

15/04/2018 às 08h00 • atualizado em 14/04/2018 às 17h41

Apoiadores exibem máscaras do ex-presidente Lula em acampamento no entorno da Superintendência da Polícia Federal, onde o ex-presidente está preso, em Curitiba (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)

A Justiça do Estado do Paraná fixou multa de R$ 500 mil por dia aos movimentos sociais que ocupam o entorno da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, onde está preso o ex-presidente Lula.

O despacho, assinado pelo juiz substituto Jailton Juan Carlos Tontini, da 3ª Vara de Fazenda Pública de Curitiba, cita que os manifestantes, pró e contra Lula, estão descumprindo uma ordem liminar do dia 8, que determinava que os réus não impedissem o trânsito de pessoas na área e que não fossem montados acampamentos e estruturas semelhantes nas proximidades da PF.

O magistrado fala na decisão em evitar “a necessidade de medidas mais enérgicas, como, por exemplo, o uso de força policial”.

Desde a condução do ex-presidente Lula à sede da PF em Curitiba, no dia 7, cerca de 500 pessoas acampam na vizinhança do prédio da instituição, conforme contagem da Polícia Militar (PM).

Fonte: https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/justica-fixa-multa-diaria-de-r-500-mil-a-manifestantes-no-entorno-da-pf-em-curitiba.ghtml

CALDEIRÃO POLÍTICO

Radialista comenta a polêmica união do Prefeito de São João do Rio do Peixe com Ricardo Coutinho. VEJA

CASOS QUASE PERDIDOS

VÍDEO: Médico cajazeirense relata ‘milagres’ na sala de cirurgia que ‘resgataram’ pacientes da morte

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

A divindade de Cristo e do Espirito Santo é bíblica? Programa Evangélico tira dúvidas em relação ao tema

EX-POLICIAL MILITAR

VÍDEO: Antes de virar pastor, ex-policial diz que matava pessoas porque resolveu “tomar o lugar de Deus”