header top bar

section content

Túmulo é violado em ritual de macumba; Polícia acredita que cadáver foi violentado sexualmente

O túmulo de uma mulher de 30 anos foi violado durante a madrugada deste sábado, 26, no cemitério de Água Verde, em Guaiúba, 38 km de Fortaleza.

Por

29/12/2015 às 07h29

Polícia acredita que cadáver foi violentado sexualmente

O túmulo de uma mulher de 30 anos foi violado durante a madrugada deste sábado, 26, no cemitério de Água Verde, em Guaiúba, 38 km de Fortaleza. O corpo estava fora do caixão, e o local apresentava sinais de um ritual de bruxaria, quando foi encontrado pelo vigia do local, por volta das 7h30min. A Perícia Forense foi acionada e vai realizar exames para verificar abuso sexual do cadáver. 

Segundo o sargento Antônio Teixeira Lemos, da 3ª Companhia do 14º Batalhão de Polícia Militar (BPM), o caixão foi quebrado e um pássaro morto foi achado ao lado do corpo. “A Perícia também encontrou um saco plástico na vagina da vítima, e na boca do corpo colocaram flores. Aparentemente foi realizado um ritual de bruxaria”, diz ele.
O companheiro da vítima também foi ao local e disse à Polícia que não sabia quem poderia ter violado o túmulo da mulher. “É crime de vilipêndio. Até o momento não temos suspeitos, mas o caso será investigado. É uma falta de respeito muito grande, uma coisa macabra”, disse o sargento. 

A mulher havia sido sepultada por volta das 17h30min de sexta-feira, 25. Ela cometeu suicídio por enforcamento, no último dia 24, ainda conforme a Polícia. O artigo 212 do Código Penal Brasileiro (CPB) prevê detenção de um a três anos, além de multa, por vilipêndio (desrespeito ou menosprezo) de cadáver ou suas cinzas. 

O Povo Online

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’