header top bar

section content

Ex-prefeito do Sertão, três empresas e um vereador entram na mira do Ministério Público Federal. Veja!

Demandados estão envolvidos em irregularidades na execução do contrato de repasse firmado com o Ministério das Cidades para pavimentação na cidade.

Por

04/12/2013 às 16h46

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou a Ação de Improbidade Administrativa nº 0000605-45.2013.4.05.8202 contra o ex-prefeito de Nazarezinho (PB), Francisco Gilson Mendes Luiz, as empresas Constrói – Materiais e Serviços Ltda., Eletrolane Construções e Serviços Ltda., Construtora Azevedo Ltda. e também contra o vereador (da cidade de Sousa) Renato Soares Virgínio. 

Os demandados estão envolvidos em irregularidades na execução do Contrato de Repasse nº 0180382-00, firmado com o Ministério das Cidades, visando à pavimentação em paralelepípedos graníticos em diversas ruas de Nazarezinho (PB), no valor total de R$ 272.585,63, sendo R$ 258.375,00 repassados pelo Ministério das Cidades e o restante a título de contrapartida municipal.

As irregularidades ocorreram na realização do procedimento licitatório Tomada de Preços nº 05/2006, deflagrado pelo então prefeito, em 17 de fevereiro de 2006, do qual saiu vitoriosa a empresa Constrói – Materiais e Serviços Ltda., com a proposta de R$ 271.354,85. No relatório de licitação, consta que três empresas participaram do certame (Eletrolane Construções e Serviços Ltda., Construtora Azevedo Ltda. e Constrói – Materiais e Serviços Ltda.), sendo que apenas a Construtora Azevedo e a Constrói foram habilitadas.

Também consta no relatório que, apesar de terem adquirido o edital pelo valor de R$ 50,00 outras seis construtoras compareceram à audiência demonstrando 'desinteresse em participar da licitação'. Ainda consta que, uma outra empresa, a Construtora Poliedro Ltda., havia comparecido à audiência e demonstrando desinteresse de participar do processo licitatório. Ocorre que a Poliedro entrou com recurso requerendo a impugnação do edital, alegando que o representante da referida construtora havia procurado por diversas vezes a comissão permanente de licitação para comprar o edital, não obtendo êxito. O mesmo recurso foi o documento que levou o MPF a instaurar um inquérito civil público para
investigar as irregularidades apontadas.

Outra irregularidade detectada, mostrando que não houve real concorrência ao objeto licitado é o fato de que a empresa Joatan Construções Ltda. e a Construtora Hércules Ltda. tiveram um mesmo representante no momento em que receberam exemplares do edital, o senhor Jandival Monteiro de Santana. Isto é, no mesmo dia, a comissão de licitação entregou dois editais a uma mesma pessoa, que assinou como representante de empresas distintas.

Além disso, apurou-se que o telefone de contato da empresa Joatan Construções Ltda. e seu endereço são idênticos aos informados pelo representante da Construtora Vetor Pré-Moldados Comércio e Serviços Ltda., Moacir Viana Sobreira, evidenciando que tais empresas, assim
como a Construtora Hércules Ltda. seriam entidades de fachada que serviram unicamente para causar a impressão de que a Tomada de Preços nº
005/2006 foi realmente aberta ao público, possibilitando a participação de qualquer fornecedor que preenchesse os requisitos impostos na lei e 
no instrumento convocatório.

O MPF ressalta que, apesar do convênio ter sido realizado no ano de 2005 e a licitação no ano de 2006, o devido cumprimento do objeto do contrato de repasse prorroga-se até os dias de hoje. É que, de acordo com informações da Caixa Econômica Federal, as obras estão paralisadas com porcentual atestado de apenas 76,87%.

A ação foi proposta em 31 de julho de 2013. Em despacho, datado de 6 de setembro a Justiça Federal mandou notificar os demandados para que
ofereçam manifestação sobre a ação de improbidade. Até agora (novembro) o MPF aguarda o recebimento da ação pelo Judiciário. É possível consultar a movimentação do processo através da página www.jfpb.jus.br, bastando, para tanto, colocar o número da ação na ferramenta de pesquisa processual.

Outra ação – Em 26 de julho de 2013, o MPF ajuizou a Ação de Improbidade Administrativa nº 0000565-63.2013.4.05.8202 contra o ex-prefeito Francisco Luiz e em desfavor do engenheiro civil Moacir Viana de Sobreira, por diversas irregularidades na execução de verbas federais do Ministério da Saúde, no valor de R$ 200 mil, repassadas ao município através do Convênio nº 365/2003, firmado em 26 de dezembro de 2003. O objetivo do convênio era a execução de melhorias habitacionais para o controle da Doença de Chagas no município.

DIÁRIO DO SERTÃO com Assessoria

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!