header top bar

section content

TSE nega, por unanimidade, recurso de Ney para cassar mandato de Cícero Lucena

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por unanimidade, negou, na noite desta quarta-feira (26.05), recurso impetrado pelo ex-senador Ney Suassuna (PMDB) contra a expedição de diploma do senador Cícero Lucena (PSDB). O relator da ação, ministro Marcelo Ribeiro, não acolheu o recurso e votou pelo desprovimento do pedido de Ney. A principal acusação de Ney era […]

Por

26/05/2009 às 23h09

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por unanimidade, negou, na noite desta quarta-feira (26.05), recurso impetrado pelo ex-senador Ney Suassuna (PMDB) contra a expedição de diploma do senador Cícero Lucena (PSDB). O relator da ação, ministro Marcelo Ribeiro, não acolheu o recurso e votou pelo desprovimento do pedido de Ney.

A principal acusação de Ney era a de que Cícero teria sido beneficiado com a distribuição de 140 mil camisetas amarelas. O advogado de defesa foi Irapuan Sobral, que alegou que as camisetas eram de uma empresa que mantinha contrato com a Empresa de Correios e Telégrafos.

O ministro reproduziu o parecer da Procuradoria Geral Eleitoral, onde fica claro que as provas não provam os fatos alegados.

Ney ainda cita o caso de envolvimento de Cícero na Operação Confraria e disse que o ex-prefeito teve as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União. O ministro Marcelo Ribeiro rejeitou esses argumentos, por serem apresentados de forma superficial e sem as provas dos alegados.

Para o advogado de defesa Irapuan Sobral "uma isistente emulação política"

Fonte: Hermes de Luna

Tags:

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula