header top bar

section content

Polícia Federal prende suspeitos de planejar atos terroristas na Olimpíada

Segundo o ministro da Justiça, foi feito um monitoramento que passou-se de simples comentários para 'atos preparatórios'. Quase apologia ao terrorismo

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

21/07/2016 às 12h14 • atualizado em 21/07/2016 às 13h32

Homens das Forças Armadas realizam simulação de combate ao terrorismo durante a madrugada na Estação Paraíso do Metrô, São Paulo (Foto: Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Conteúdo)

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes confirmou na manhã desta quinta-feira (21) que dez supostos terroristas foram presos por ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico.
Segundo o ministro, a partir dessa percepção, se deflagrou a operação antiterrorismo. Ele diz que essa comunicação entre os suspeitos se deu por aplicativos de comunicação como WhatsApp e Telegram.

O grupo passou a chamar a atenção da Polícia Federal depois de fazer um juramento ao Estado Islâmico porque, apesar de não ter se constatado um contato direto com a facção, essa pessoa passa a achar que faz parte do grupo terrorista.

“Seguindo um protocolo internacional de divulgação com a transparência, gostaríamos de informar que hoje foi realizada uma operação da Polícia Federal onde se realizou o rastreamento que começou com a integração entre a Polícia Federal, a Abin e as Forças Armadas, culminou na prisão de 10 indivíduos”, disse o ministro.

De acordo com Alexandre, o grupo foi preso porque foi constatado fortes indícios de que os ataques poderiam ser realizados. ” Houve uma série de atos preparatórios e, em um determinado momento, o grupo mostrou que o Brasil deixou de ser um país neutro e, em virtude das olimpíadas e da vinda de turistas de diversas nacionalidades, o Brasil poderia se tornar um alvo”, disse.
A Polícia Federal constatou, também, atos “preparatórios” como o “batismo com facção” e a tentativa de compras de armas do Paraguai com a finalidade da “prática clara” de terrorismo. Ainda de acordo com o ministro, a prisão foi realizada depois de constatado três aspectos: “Houve um primeiro contato com o Estado Islâmico, onde eles fizeram uma espécie de juramento. Depois, as investigações indicaram uma série de atos preparatórios, como a tentativa de compra de armas do Paraguai”, disse.

IG

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!