header top bar

section content

Padre suspenso por pedofilia celebra missa fora da Paraíba e gera polêmica

O padre foi afastado das funções sacerdotais por ter sido denunciado por “atos em desacordo com a lei”, conforme nota assinada pelo então bispo diocesano Francisco de Assis Dantas de Lucena.

Por Estagiário

01/11/2016 às 18h18 • atualizado em 01/11/2016 às 18h19

A imagem mostra o padre celebrando em Juazeiro do Norte. (Foto: Reprodução)

Durante a Romaria de Finados, na Basílica do Santuário de Nossa Senhora das Dores, no Juazeiro do Norte (CE), um registro curioso virou tema de discussão nas redes sociais: Pode um padre afastado das funções sacerdotais, investigado por suposta prática de pedofilia, presidir a celebração da Santa Missa?

A discussão foi iniciada a partir da divulgação de imagens e vídeos mostrando o padre José Anselmo Soares de Sousa, afastado em 04 de abril deste ano das atividades eclesiais na Diocese de Guarabira, concelebrando e presidindo Missa na terra do padre Cícero Romão.

O vigário paroquial do Juazeiro do Norte, padre Cícero Gomes, acolheu na manhã deste domingo (30) o padre Anselmo como sendo da Paróquia Sagrada Família de Belém, Diocese de Guarabira na Paraíba. O sacerdote afastado presidiu a celebração normalmente. A Romaria de Finados acontece de 29 de outubro até 02 de novembro.

O sacerdote foi afastado das funções sacerdotais por ter sido denunciado por “atos em desacordo com a lei”, conforme nota assinada pelo então bispo diocesano Francisco de Assis Dantas de Lucena.

A Polícia Civil da região explicou que o sacerdote está sendo investigado pelo crime de estupro de vulnerável, que teria ocorrido na cidade de Dona Inês, no Agreste do estado. A nota confirmou, à época, que o afastamento será mantido até o encerramento de todas as investigações.

“O afastamento do Sacerdote visa preservar os princípios da moral e ética cristãs, ao mesmo tempo em que reforça o compromisso com a busca da verdade, reunindo todos os esforços no sentido de apurar as denúncias recebidas”, disse a nota emitida por dom Lucena em abril.

Ainda na nota, o bispo diz “não admitir precipitação em proteger culpados ou execração de inocentes, mas reafirma o compromisso de esclarecer minuciosamente todas as acusações.

Ainda não conseguimos ouvir a versão do padre Anselmo e não há ainda uma posição oficial da Diocese de Guarabira sobre o assunto, mas as primeiras informações colhidas junto a integrantes do clero diocesano, confirmam que o sacerdote continua afastado e proibido de exercer suas funções. Para alguns sacerdotes, que preferiram não se identificar, a tentativa de driblar uma determinação superior pode complicar ainda mais a situação do padre Anselmo. As informações são do blog do Rafael San.

Atualização
Em entrevista à Rádio Rural de Guarabira o Padre Adauto Tavares, pároco da Catedral de Guarabira e membro do Conselho Diocesano, declarou que a Diocese já tem conhecimento do caso e o administrador diocesano Monsenhor Nicodemos deverá tomar as medidas, podendo o sacerdote voltar à condição de leigo por desobediência. A desobediência é considerada gravíssima, segundo o Código de Direito Canônico.

O clero diocesano se reúne na manhã desta terça-feira (1º) junto com o Colégio de Consultores, responsável pelo gerenciamento da Diocese, durante a vacância do bispo titular, e deverá se posicionar sobre o fato.

Nordeste1

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan