header top bar

section content

Em posse, Temer não agradece Calero e diz que Freire “salvará o país”

Evento de posse do movo ministro da Cultura foi fechada aos veículos de imprensa

Por Estagiário

23/11/2016 às 20h30 • atualizado em 23/11/2016 às 17h29

© Beto Barata/PR

Em cerimônia fechada aos veículos de imprensa, o presidente Michel Temer não agradeceu e não mencionou o nome nesta quarta-feira (23) de Marcelo Calero em evento de posse do novo ministro da Cultura, Roberto Freire.

O ex-titular da pasta pediu demissão na última sexta-feira (18) e acusou o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, de pressioná-lo a liberar a obra de um empreendimento imobiliário no qual ele tem um apartamento.

O agradecimento ao trabalho do ministro anterior é comum em cerimônias de posse realizadas pela Presidência da República. No único momento em que se referiu a Calero, Temer o chamou apenas de “outro companheiro”.

Em discurso, a uma plateia sem a presença de nomes de peso da classe artística ou intelectual, o presidente disse que o Ministério da Cultura “ganha muito” com Freire e afirmou que ele “vai salvar o Brasil”.

“Nós temos hoje a absoluta certeza de que o governo federal está ganhando muito. E se o governo federal foi bem até agora, a partir do Roberto Freire vai ganhar céu azul, velocidade de cruzeiro e vai salvar o Brasil”, disse.

O peemedebista disse ainda que, quando assumiu o Palácio do Planalto, Freire era sua primeira opção para pasta. No entanto, o novo ministro abriu mão do cargo quando ela foi fundida ao Ministério da Educação, o que levou o presidente a escolher o nome de Calero.

Temer chamou de “grita” os protestos à época da classe artística contra o rebaixamento da pasta e disse que, quando decidiu recriá-la, já havia “outro companheiro” para assumi-la. O peemedebista ressaltou ainda que dar posse a Freire é para ele uma “felicidade cívica e pessoal”.

“Houve uma grita natural na área cultural à junção das pastas e acho que nós, alertados, devemos verificar a procedência ou improcedência dessas contestações.

Quando são legitimas, você revê o ato e foi isso que fiz. Mas, a essa altura, não foi possível levá-lo, porque já havia outro companheiro na então Secretaria de Cultura”, disse.

Em meio à polêmica, o presidente fechou à imprensa a posse do novo ministro. A prática não é comum no Palácio do Planalto. No governo peemedebista, o único ministro que havia até hoje tomado posse em cerimônia fechada era o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn.

DIÁLOGO

Em entrevista após a cerimônia de posse, Freire disse que não sabia que o evento seria fechado e afirmou que pretende conversar com Calero para dar continuidade a iniciativas da gestão anterior.

Como seu antecessor, ele criticou a tentativa de se “satanizar” a Lei Rouanet, instrumento de financiamento de atividades culturais por meio de isenção fiscal. O ministro, contudo, ressaltou que pretende retirar no Congresso Nacional projeto que altera a iniciativa para reavaliá-lo.

Freire ressaltou ainda que já conversou com a presidente do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), Kátia Bogéa, e que ela será mantida no cargo.

Segundo Calero, Geddel chegou a ameaçar pedir a demissão de Kátia ao presidente Michel Temer caso o parecer técnico do Iphan não fosse alterado. Em entrevista à Folha, contudo, Geddel negou a acusação. Com informações da Folhapress.

Notícias ao Minuto

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan