header top bar

section content

Senador Cássio quer garantir aumento de uso da energia eólica

O objetivo da lei era introduzir a energia eólica no país e aumentar a geração a partir de biomassa e de pequenas centrais hidrelétricas (PCH)

Por

07/07/2015 às 16h18

Cássio Cunha Lima (PB) apresentou projeto de lei

Com a finalidade de impulsionar o uso das energias renováveis na matriz elétrica brasileira, o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), apresentou projeto de lei para tornar obrigatória a participação mínima de 15% desses recursos até o ano de 2025.

Em sua justificação, Cássio explica que, para fazer a mudança, será preciso fazer uma alteração na Lei 10.438/2002, criada no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que deu origem ao Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa). O objetivo da lei era introduzir a energia eólica no país e aumentar a geração a partir de biomassa e de pequenas centrais hidrelétricas (PCH), mas a lei previa um patamar mínimo de 10% até o ano de 2022.

“Essa lei representou um marco importante para o crescimento da participação das fontes renováveis alternativas na matriz elétrica brasileira. Os benefícios ambientais decorrentes da utilização das fontes alternativas, a maturidade econômica e tecnológica alcançada por essas fontes nos últimos anos, são resultados seguros de que é possível aumentar esse patamar para quinze por cento”, avalia o senador.

Fontes alternativas
Cássio lembra que o Proinfa criou as condições objetivas para que a fonte eólica passasse a fazer parte de nossa matriz elétrica. Graças ao programa, foram contratados quarenta e seis parques eólicos, totalizando mais de mil e cem megawatts de potência instalada.

“Essas contratações permitiram que a geração eólica no Brasil ganhasse escala suficiente para atrair investimentos não só para a montagem dos parques eólicos, mas também para instalação no nosso país de fábricas para a produção de aerogeradores, pás, torres e outros componentes utilizados na geração eólica. Além disso, o mercado surgido com o Proinfa motivou a criação de cursos técnicos e de nível superior para a formação dos profissionais especializados em energia eólica”, disse.

Na avaliação do líder, não há como negar que a crescente participação das fontes alternativas na matriz elétrica brasileira foi viabilizada pelo Proinfa.

“Hoje, essas fontes, em especial a eólica, são plenamente competitivas em termos econômicos. A expansão delas na matriz elétrica, contudo, deve ser feita cuidadosamente, sem colocar em risco a confiabilidade do sistema energético ou afetar negativamente a modicidade tarifária e o equilíbrio fiscal”, assegurou.

Assessoria

CASA NOVA

Locutor esportivo troca de emissora de rádio em Cajazeiras e revela mágoa: “Tomei uma pancada violenta”

NOVIDADES

VÍDEO: Novo padre da Paróquia São João Bosco confirma que pretende revitalizar a Praça Camilo de Holanda

AO VIVO NA TV

BOMBA! Ator cajazeirense revela que foi estuprado quando era coroinha de igreja: “Fui pra missa chorando” – ASSISTA!

TEM POTENCIAL

VÍDEO: Atleta cajazeirense pede ajuda pra realizar sonho de correr a São Silvestre; veja como patrocinar