header top bar

section content

Deputada sofreu ameaça ao votar contra redução da maioridade

Professora notificou ofensas como "falta um homem de verdade para te colocar no seu lugar" e "ainda bem que não tem cotas para mulheres"

Por

07/07/2015 às 10h30

Única deputada do DEM a votar contra a redução da maioridade penal na semana passada denunciou am

A única deputada do DEM a votar contra a redução da maioridade penal na semana passada denunciou ameaças recebidas pelas redes sociais à Procuradoria Parlamentar da Câmara.

Voz dissonante em seu partido, a professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO) notificou ofensas sexistas – "falta um homem de verdade para te colocar no seu lugar", "ainda bem que não tem cotas para mulheres" –, e de apologia à violência – "sua hora vai chegar", "espera que um menor vai te dar um trato".

À BBC Brasil , a deputada, que nunca havia sido alvo de ameaças do tipo, comparou a violência dos comentários à praticada por menores infratores.

"Muitas das pessoas que me cobraram são mais violentas ou estariam dispostas a cometer violência de maneira não muito diferente desses adolescentes."

Ela também criticou a postura de parte dos colegas de plenário. "Houve deputados que falaram coisas do tipo: 'Tomara Deus que não sejam vítimas de estupro'."

Pedagoga, mestre em Educação e doutora em Gestão Educacional, Rezende disse achar opiniões contrárias "democráticas", "bem-vindas" e "naturais".

"Acho normal discordarem. Isso não é ofensivo", afirmou. "Ofensivo é ameaça, é xingamento, é ameaça física a mim, aos meus filhos."

Medo 
Eleita com 41.802 votos no ano passado, Rezende afirma não ter sentido medo dos comentários – que incluíram ofensas como "vagabunda" e "p*ta".

"Não posso ficar à mercê de pressões dessa natureza querendo controlar meu voto", disse à reportagem. "Fui a única do partido que mantive. Houve deputados que, pela pressão das redes sociais, mudaram seu voto. E acho que esse era o objetivo dos agressores, amedrontar."

"Não senti medo", prosseguiu. "Porque acho que (os autores dos comentários) são extremamente covardes."

A deputada, que também foi contra seu partido na votação sobre a terceirização (votou contra), questiona a ideia de polarização discutida no Brasil desde as eleições presidenciais do ano passado.

"Alguns comentários diziam que eu acabei apoiando o governo. Isso é um equívoco, porque o PMDB é governo e está a favor da maioridade (ao contrário do PT e da presidente Dilma Rousseff)", diz.

"Essa polarização é muito mais fruto do perfil do Congresso, com deputados mais conservadores e ligados a bancadas específicas", diz. "E com o próprio presidente (Eduardo Cunha), né, que é um defensor pleno desta votação."

Terra

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe o professor Sérgio Cunha divulgando o IV Open paraibano de Karatê; Confira!

CASA NOVA

Locutor esportivo troca de emissora de rádio em Cajazeiras e revela mágoa: “Tomei uma pancada violenta”

NOVIDADES

VÍDEO: Novo padre da Paróquia São João Bosco confirma que pretende revitalizar a Praça Camilo de Holanda