header top bar

section content

Veneziano relata proposta de Nilda que obriga identificação de procedência em publicidade

O projeto acrescenta artigo ao Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90).

Por

03/06/2015 às 19h03

Veneziano relata proposta de Nilda

O deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB/PB) é relator na Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados do Projeto de Lei 401/11, de autoria da ex-deputada federal Nilda Gondim (PMDB-PB), que torna obrigatória a impressão de código de barra ou QR code (código de barras em duas dimensões, do inglês quick response) para identificação de procedência em toda publicidade. A determinação valerá para publicidade distribuída de forma avulsa (panfletos) ou afixada em mídia externa.

O projeto acrescenta artigo ao Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90). Segundo o texto, o código de barras ou QR code deve informar: o nome do anunciante e respectivo CPF ou CNPJ; nome e CNPJ da agência de propaganda e publicidade responsável pela veiculação do anúncio; nome e CNPJ da gráfica responsável pela impressão do anúncio; e data de lançamento do anúncio.

O deputado Veneziano apresentou o seu parecer pela constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa da proposta de Nilda Gondim e do PL 768/2011, apensado, ambos na forma do Substitutivo adotado pela Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática.

"O entrave reside muitas vezes na comprovação e localização do autor, da agência responsável pela elaboração, emissão, divulgação, e ainda, a gráfica que confeccionou ou imprimiu o material", complementa Veneziano.

Responsabilidade – Hoje o Código de Defesa do Consumidor determina que o ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária cabe a quem as patrocina. "Sabe-se, porém, que nem sempre se consegue chegar ao responsável ou autor da publicidade enganosa ou abusiva, muito menos aplicar certa sanção", afirma a autora do projeto.

As infrações das normas de defesa do consumidor sujeitam as empresas a punições como multa, apreensão do produto, suspensão temporária de atividade e cassação de licença do estabelecimento.

Tramitação – O projeto, que tramita em caráter conclusivo, foi aprovado pelas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; de Defesa do Consumidor; e aguarda deliberação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Se aprovado, seguirá para tramitação no Senado Federal. 

Assessoria

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan