header top bar

section content

CRUELDADE: Mulher mata grávida e retira filho da barriga com lâmina de gilete

Relembre crimes que assustaram o País e foram notícia em um programa de TV

Por

01/06/2015 às 14h00

A jovem Elizabeth Cardoso, que estava grávida de oito meses, teve a barriga cortada com uma lâmina e foi assassinada, depois ser espancada brutalmente por Kátia Nascimento, em julho de 2013, na cidade de Marituba, região metropolitana de Belém, no Pará, de acordo com a reportagem do Cidade Alerta da rede Record. 

Elizabeth vendia refrigerante em uma praça da cidade. A suspeita se aproximou como cliente ao notar a gravidez e passou a frequentar diariamente o ponto. Ela namorava um rapaz que queria ser pai, mas ela não conseguia engravidar.

Kátia forjou uma gestação e chamou Elizabeth com a desculpa de entregar roupas para a criança. Ela foi agredida e quando desmaiou teve a barriga cortada com uma gilete.

O bebê morreu um pouco antes de chegar no hospital. O bebê teria sido enterrado como se fosse filho da assassina. Mas a Polícia entrou com pedido de exumação do corpo para comprovar que o bebê era filha da vítima. 

Éder Mauro, delegado do caso, diz que a mulher nega que o marido tenha participado do crime. Para a Polícia, o rapaz teve participação no assassinato

Durante depoimento, ela disse que espancou a vítima com pedras, garrafas e socos para depois cortar a barriga da moça com uma lâmina e arrancar o bebê com as mãos.

De acordo com a reportagem, Kátia teria enterrado a vítima ainda com vida. O R7 selecionou crimes que chocaram o País pela brutalidade.

R7

Tags:

“Boca Quente” fala sobre Nilvan, Josival, Gutemberg e narra fato que mais lhe chamou atenção na área policial

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Padre e missionários falam sobre recuperação de dependentes químicos na região de Cajazeiras

DIÁRIO ESPORTIVO

Ao lado de grandes nomes da imprensa, Diário Esportivo debate as rodadas da Série C e D do Paraibano

PARTIU PARA O ATAQUE

VÍDEO: Júnior Araújo diz que José Aldemir vai perseguir servidores que não apoiarem campanha de Paula