header top bar

section content

Consumidores ganham arma para controlar as dívidas bancárias. Se ligue!

Se não sabe qual é taxa de juros que alimenta o débito, consumidor deve checar o contrato. Caso não encontre especificação, pode exigir na Justiça aplicação de índice médio de mercado

Por

15/05/2015 às 19h28

Contratos sem juro especificado podem ser ‘revistos’ na Justiça. Foto: Divulgação / Reproduç

Boa novidade para quem deve a um banco e se sente preso numa armadilha, na qual a dívida cresce indomável e descontroladamente, como no cheque especial: se a taxa de juros não estiver prevista em contrato, o cliente poderá exigir que se aplique o índice médio de mercado — caso este seja mais favorável, naturalmente. A decisão foi tomada nesta semana pelo STJ (Supremo Tribunal de Justiça), pacificando disputas que afloram em todo o país, e fixada pela súmula 530, que será publicada publicado na segunda-feira (18) no Diário Oficial da União. A informação foi antecipada pela coluna do jornalista Ancelmo Góis, no GLOBO, nesta sexta (15).

“Nos contratos bancários, na impossibilidade de comprovar a taxa de juros efetivamente contratada ─ por ausência de pactuação ou pela falta de juntada do instrumento aos autos ─, aplica-se a taxa média de mercado, divulgada pelo Bacen [Banco Central], praticada nas operações da mesma espécie, salvo se a taxa cobrada for mais vantajosa para o devedor”, informou a Corte, em nota.

— A súmula é bem prática e se aplica quando há discussão sobre a taxa em contratos bancários — comenta Leonardo Cotta, sócio do escritório Siqueira Castro, lembrando que a omissão do índice de correção é incomum, pois, em geral, as pessoas a atenção nas taxas quando fecham contrato de financiamento imobiliário e automotivo. — Mas não é ilegal.

O especialista destaca que questão chega aos tribunais, e o banco não junta contrato comprovando a taxa, ou se o contrato não prevê a taxa, o juiz pode aplicar a taxa média do mercado, se esta for melhor para o devedor. Também ressalta que os consumidores devem tomar cuidado de ler até as letras miúdas dos contratos de serviços.

Procurada para comentar o assunto, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) não se manifestou.

Por JULIANA GARÇON / O GLOBO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan