header top bar

section content

Assembleia mantém seis vetos e rejeita outros três do Poder Executivo

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) deu início ao esforço concentrado, na sessão ordinária desta terça-feira (18), para a apreciação e votação de matérias. Os deputados decidiram pela manutenção de seis vetos do Poder Executivo a Projetos de Lei Ordinária (PLO), de autoria dos parlamentares, e pela rejeição de outros três.   Ao todo, constavam […]

Por

18/03/2014 às 15h38

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) deu início ao esforço concentrado, na sessão ordinária desta terça-feira (18), para a apreciação e votação de matérias. Os deputados decidiram pela manutenção de seis vetos do Poder Executivo a Projetos de Lei Ordinária (PLO), de autoria dos parlamentares, e pela rejeição de outros três.
 
Ao todo, constavam na Ordem do Dia 38 matérias, entre 15 vetos governamentais, cinco projetos de lei, sete Indicações ao Poder Executivo e 38 requerimentos.
 
O primeiro veto apreciado foi o 204/2013, contrário ao projeto de lei 1.318/2013, de autoria do deputado Doda de Tião (PTB). Dezenove deputados decidiram pela manutenção e 11 votaram contra. A matéria solicita a redução da alíquota de ICMS incidente sobre os alimentos da cesta básica. O Poder Executivo alegou que para ser concedido o benefício fiscal era necessária a celebração de convênio no âmbito do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), com repercussão financeira e previsão orçamentária definidas, além da respectiva compensação nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).
 
Também foi mantido o Veto 205/2013 ao projeto de lei 1.397/2013, de Caio Roberto (PR). Durante a votação, 24 deputados seguiram o entendimento do Poder Executivo de que a responsabilidade sobre o controle da utilização de película de luminosidade (Insulfilm), em veículos de transporte público, é exclusiva da União. Apenas sete parlamentares votaram pela rejeição.
 
Por ampla maioria, 24 contra seis, os parlamentares também mantiveram o Veto 211/2013, relativo ao projeto 1.557/2013, do deputado Frei Anastácio (PT), que propõe a sinalização em rodovias estaduais que dão acesso a pontos turísticos, realizada por meio de placas bilíngues. O líder do governo, Hervázio Bezerra (PSB), explicou que, além de gerar despesa onerosa, a propositura da matéria é de competência, exclusiva, do Poder Executivo.
 
Também foram mantidos os vetos 212 e 217 de 2013, contra os projetos de Lei 1.553/2013, do deputado Gervásio Maia (PMDB), que pede a isenção da tarifa de embarque nos terminais rodoviários do Estado para idosos; e o 1.635/2013, de Assis Quintans (Democratas), que torna obrigatória a presença de profissional de odontologia nos hospitais do Estado.
 
Vetos rejeitados
Ainda durante a votação, os deputados decidiram pela rejeição de três vetos governamentais relativos a matérias que buscavam garantias e direitos ao consumidor. O primeiro foi 206/2013, contrário ao projeto 1.495/2013, do deputado Vituriano de Abreu (PSC), que trata da obrigatoriedade das empresas operadoras de telefonia fixa e móvel, na Paraíba, a disponibilizarem a fatura mensal detalhada referente às chamadas e mensagens SMS enviadas e acessos à internet. O placar foi de 24 votos contra e sete a favor do veto.    
 
O líder do governo, Hervázio Bezerra, alegou que a proposta parlamentar era benéfica, porém inconstitucional, por se tratar de competência privativa da União. Já o líder da oposição, Anísio Maia (PT), contra-argumentou o governista. “Não é inconstitucional, pois, se trata de direito público subjetivo, ou seja, que o Estado tem o dever de zelar e fazer cumprir o direito do cidadão. A sociedade cobra de nós políticos alguma providência contra os abusos das empresas de telefonia e autorizar esse veto é aceitar o desrespeito que essas empresas cometem contra o consumidor”, disse o petista.
 
Os demais vetos rejeitados foram o 207 e o 208 de 2013. Ambos foram contrários a matérias apresentadas pelo deputado Caio Roberto. O primeiro relativo ao projeto de Lei 1.506/2013, que tornava obrigatória a compensação ao consumidor, por meio de abatimento ou ressarcimento financeiro, relativo à interrupção do serviço de TV por assinatura.
 
Já o outro, contrário ao Projeto de Lei n° 1.507/2013, que obriga as empresas prestadoras de serviço de telefonias fixa e móvel, de TV por assinatura e de transmissão de dados via internet a oferecer aos consumidores com contratos em atividade as mesmas condições disponibilizadas aos novos clientes para a adesão aos novos planos e pacotes promocionais.
 
“Para que o consumidor não se sinta uma pessoa desprestigiada ou de pouca sorte, por não contemplar de benefícios e para que haja um tratamento igualitário, entre novos e antigos consumidores, propomos essa matéria”, justificou Caio Roberto. “No mérito, quem é que pode ser contra esse projeto? Mas, eu pergunto aos senhores, a Assembleia Legislativa tem competência para propor essa ação contra as operadoras? Já adianto que não. Essa proposta é exclusiva da presidente Dilma Roussef (PT). É iludir a boa fé do usuário”, alegou. Após a votação deste último veto, por acordo de lideranças, a Mesa Diretora decretou o encerramento da votação. 

Da secom

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!