header top bar

section content

Novo laudo aponta presença de cocaína no corpo de miss morta em cirurgia plástica

A miss era atendida pelo médico Rogério Morale, que não conseguiu reverter o quadr

Por

12/10/2013 às 09h49

Laudo toxicológico feito pelo Instituto Nacional de Criminalística apontou a presença de cocaína no corpo da miss Jataí Turismo 2012, Louanna Adrielle Castro Silva, 24, morta durante uma cirurgia plástica em Goiânia, em 1° de dezembro do ano passado.  O resultado do exame complementar contesta laudo do Instituto Médico Legal (IML), que foi divulgado em janeiro e descartou que a jovem fosse usuária de drogas.

No exame complementar feito pelo Instituto Nacional de Criminalística, além de cocaína, foram detectadas outras três substâncias –Amiodarona (contra arritmias), Midazolam (medicamento indutor do sono) e Bupivacaína (anestésico local). Esse resultado e o laudo do IML foram anexados ao inquérito policial.

O delegado Fernando de Oliveira diz que aguarda o laudo cadavérico para a conclusão da investigação. Ainda não há prazo para a entrega deste exame, que apontará se houve ou não erro médico.

Ninguém da família da jovem foi encontrado para comentar o resultado do laudo do Instituto Nacional de Criminalística. Em entrevista ao UOL, em dezembro do ano passado, o marido de Louanna, Giuliano Cabral Chaves, negou que ela fosse usuária de drogas.

Segundo o advogado Mário Ibrahim, os familiares da miss não vão falar sobre esse exame.

Em depoimento à polícia, o médico responsável pela cirurgia, Rogério Morale, e a anestesista Beatriz Vieira Espíndola negaram que houve erro médico e chegaram a apontar que a paciente poderia ser usuária de drogas.

Louanna morreu no dia 1º de dezembro de 2012 após entrar no centro cirúrgico para o implante de silicone nos seios. Ela teve uma parada cardíaca durante o procedimento, realizado no hospital Buriti, no bairro Parque Amazônia.

A miss era atendida pelo médico Rogério Morale, que não conseguiu reverter o quadro. No hospital onde a cirurgia era realizada não havia UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

O médico atendia também em Jataí (327 km de Goiânia), onde Louanna morava, mas a família dela alegou, na época, que a cirurgia foi realizada na capital justamente por causa da UTI.

Uol

XEQUE-MATE

VÍDEO: Vereador de Cajazeiras e educadores esclarecem polêmicas sobre a identidade de gênero nas escolas

DIÁRIO ESPORTIVO

Tudo sobre as novas contratações e a preparação dos times para o Campeonato Paraibano 2018

PSICOLOGIA NO AR

VÍDEO: Psicólogos debatem comportamento do ‘stalker’ nas redes sociais e quando o amor se torna obsessão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Batista Independente