header top bar

section content

Sem pagamento, Hospital Infantil fica sem médicos e funcionários passam fome

Por causa do atraso no pagamento dos salários dos seus funcionários, o Hospital Infantil de Cajazeiras vem passando por sérias dificuldades para realizar atendimento completo aos seus pacientes...

Por

31/12/2009 às 01h26

Por causa do atraso no pagamento dos salários dos seus funcionários, o Hospital Infantil de Cajazeiras vem passando por sérias dificuldades para realizar atendimento completo aos seus pacientes. A informação é do próprio diretor administrativo do hospital, Dr. Abidiel de Sousa Rolim. Ele culpa a Prefeitura Municipal de Cajazeiras, que não paga há pelo menos três meses, pelo mau serviço prestado pelo HI nas últimas semanas.

O problema é tão grave que já começa a faltar médicos plantonistas no hospital e alguns casos mais graves estão sendo encaminhados ao Hospital Regional de Cajazeiras e outros a postos de Saúde da cidade.

Para tornar a situação ainda mais calamitosa, funcionários que prestam serviços de limpeza e cozinha no HI já estariam passando fome por causa do atraso nos salários, como revelou a cozinheira dona Fátima à reportagem de uma rádio local.

“A realidade é que na minha casa estamos passando fome, devendo água e luz. No natal só tivemos alimentação porque eu recebi uma feirinha lá na área de lazer, e eles todo dia me mandam trabalhar, e se eu não for, me põem pra fora”.

Segundo Dr. Abidiel, a assessoria financeira da prefeitura teria prometido que até esta terça-feira (30), o pagamento seria repassado ao hospital.

Da redação do Diário do Sertão

Tags:
VÍDEO

Coordenador da Energisa garante melhoria e dá dicas sobre ‘queda’ de raios durante o período de inverno

ENTREVISTA

No Xeque-Mate, corretor avalia que Cajazeiras é melhor do que Sousa para investir no mercado imobiliário

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os membros da Associação dos ciclistas de Cajazeiras e região; Confira!

ADVERSÁRIOS ETERNOS

Breckenfeld diz que nunca será candidato a prefeito de São João nem aliado de Zé Aldemir: “Chance zero”