header top bar

section content

Padre acusado de assassinato em Pombal é impedido de celebrar missa

Um oficial de Justiça impediu a realização da missa que seria celebrada pelo padre João Carlos de Santana, de 42 anos, na noite da última terça-feira (21), na Igreja de Santo Antônio, que fica no...

Por

23/10/2008 às 12h23

Um oficial de Justiça impediu a realização da missa que seria celebrada pelo padre João Carlos de Santana, de 42 anos, na noite da última terça-feira (21), na Igreja de Santo Antônio, que fica no bairro de Água Fria, Zona Norte do Recife.

O padre é acusado de envolvimento com um homicídio que teria sido praticado na Paraíba, em 2006. O arcebispo de Olinda e do Recife, dom José Cardoso Sobrinho, conseguiu um mandado de reintegração de posse da Paróquia de Água Fria.

Em janeiro deste ano, uma decisão favorável a dom José determinou a saída do padre João, mas, depois de mobilização da comunidade, uma liminar da Justiça liberou o religioso para continuar as cerimônias. Nesta terça-feira, uma nova ação judicial determinou a saída do padre.

Apesar das acusações, a assessoria de comunicação da arquidiocese pernambucana nega que o motivo principal do afastamento do padre tenha sido o homicídio. Segundo a assessoria, o período de administração paroquial de João Carlos já foi encerrado e, pelas normas da Cúria local, ele devia entregar a posse da igreja.

A assessoria ainda informou que o padre procurou meios judiciais para derrubar a ordem, mas todos os recursos foram negados, resultando em seu afastamento. Para substituí-lo, foi convocado o padre Edmilson, que atualmente administra a Paróquia de Socorro, em Jaboatão dos Guararapes.

O pároco teve de deixar a igreja em meio a um louvor, na tarde da terça-feira (21), sob ordens de um oficial de Justiça. Os fiéis que estavam presentes no momento da chegada do oficial de Justiça protestaram com orações e cânticos. A Polícia Militar foi chamada para reforçar a segurança.

Uma das secretárias de dom José Cardoso Sobrinho, Judite Cardoso, informou por telefone à reportagem da TV Globo que a Arquidiocese de Olinda e Recife reforça as acusações contra o padre. Com relação ao protesto dos fiéis, a Arquidiocese considera normal, já que as pessoas são amigas do padre.

O caso
O Tribunal de Justiça da Paraíba confirmou ao JORNAL DA PARAÍBA a existência do processo de homicídio doloso, com os nomes de Ivânia Olímpio e João Carlos como acusados. O caso foi registrado na 1ª Vara da cidade de Pombal e encontra-se arquivado desde maio de 2006.

Dom José Cardoso também acusou o padre João Carlos de manter um relacionamento amoroso com a prima em segundo grau, Ivânia Olímpio de Almeida. Ela processou o arcebispo, acusando-o de calúnia, injúria e difamação. Os advogados do padre disseram que o envolvimento de João Carlos com o homicídio nunca foi provado e que o processo está arquivado. Mesmo quando foi proibido pela Justiça de realizar as missas, padre João continuou a convidar fiéis a participarem dos encontros.

Do Paraiba1

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!