header top bar

section content

Poeta denuncia descaso da prefeitura de CZ com praça que leva nome do seu pai – VÍDEO

Durante décadas, Constantino Cartaxo cuidou das cajazeiras que foram plantadas por ele há mais de 30 anos no local

Por Jocivan Pinheiro

16/03/2016 às 15h49 • atualizado em 16/03/2016 às 15h55

Fundada há exatos 20 anos no governo do prefeito José Nelo Zerinho Rodrigues, a praça Cristiano Cartaxo, no centro de Cajazeiras, próxima ao Açude Grande, que em outras épocas foi um dos cartões postais da cidade e movimentado ponto de encontro de amigos e casais de namorados, está abandonada pelos gestores públicos e praticamente não recebe mais visitantes.

Uma das cajazeiras plantadas por Constantino ainda se destaca no meio da praça

Uma das cajazeiras plantadas pelo poeta Constantino Cartaxo ainda se destaca no meio da praça

A TV Diário do Sertão conversou com o poeta Constantino Cartaxo, filho de Cristiano, que durante décadas cuidou das cajazeiras (pés de cajá) que foram plantadas por ele mesmo há mais de 30 anos no local, onde mais tarde seria construída a praça. Ao todo, Constantino plantou sete cajazeiras. Hoje restam apenas duas. Algumas foram cortadas pelas próprias administrações municipais, segundo ele.

Além disso, a praça sofre com a depredação. Alguns bancos de concreto estão quebrados e outros foram até arrancados. E devido à falta de cuidados da administração municipal, o terreno não fertiliza árvores nem grama, afinal não existe fonte de água para regar as plantas. As sombras as quais se pode recorrer para amenizar o clima escaldante da seca fica por conta das duas cajazeiras que ainda resistem às intempéries climáticas e às agressões do próprio homem.

O poeta Constantino Cartaxo plantou sete cajazeiras no local. Hoje só existe duas

Decepcionado com as gestões públicas, Constantino Cartaxo deixou de cuidar da praça e das cajazeiras

Triste e descrente em relação aos cuidados das gestões públicas, Constantino já não se dedica mais com afinco a zelar pelo patrimônio que ele viu ser fundado e ajudou a florir.

– Sofri muito pra ver essas cajazeiras crescerem. Hoje só tem duas. Uma sobreviveu por teimosia. Quem toma conta de Cajazeiras, os prefeitos, os dirigentes, eles não pensam na cidade, porque se eles pensassem, essas praças deveriam ser todas cobertas de plantas frutíferas – lamenta.

O poeta lembra que em gestões passadas um secretário municipal chegou a prometer que revitalizaria a praça, mas o projeto não chegou nem a ser elaborado e discutido.

– O tempo foi passando e esqueceram, não fizeram nada. Depois começaram a trabalhar contra o que eu fazia, então eu abandonei. A praça é do meu pai, mas eu abandonei. Abandonei porque quando estava bonita, era o prefeito; quando está abandonada, dizem “Mas, Tantino, a praça do seu pai você abandonou!”

Assista no vídeo acima a matéria especial completa.

DIÁRIO DO SERTÃO

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview