header top bar

section content

Equipe do IFPB de Cajazeiras desenvolve mecanismo para ajudar pessoas paraplégicas

Todo o processo de fabricação e testes da órtese mecânica ocorre no Campus Cajazeiras e deve ser finalizado até dezembro

Por Jocivan Pinheiro

08/07/2016 às 16h31

Da Esquerda: Heber, Lucas, André e Leandro.

Da Esquerda: Heber, Lucas, André e Leandro.

Poder melhorar a vida de alguém através da sua pesquisa e do resultado do seu trabalho é o sonho de todo pesquisador. Foi com este pensamento que o aluno de Automação Industrial Lucas Oliveira e o professor André Fellipe Cavalcante enfrentaram o desafio de desenvolver um equipamento na área de tecnologias assistivas, o primeiro do tipo a ser produzido no Campus Cajazeiras.  Os dois, com a ajuda dos professores voluntários Leandro Honorato e Heber Rolim Meireles, estão criando um Dispositivo de Órtese Mecânica para Portadores de Trauma Raquimedular.

O objetivo principal é que a órtese possa auxiliar a pessoa paraplégica a permanecer na posição bípede, de maneira que quando o indivíduo fique de pé o seu joelho seja travado automaticamente e quando for sentar possa facilmente ser destravado. De acordo com o fisioterapeuta Heber Rolim, que é e professor da Faculdade Santa Maria e voluntário do projeto, os benefícios para a saúde do usuário do equipamento serão diversos.

“Mesmo sem sensibilidade motora devido à lesão, o fato de transferir o peso sobre as articulações promove a fixação de cálcio nos ossos do paciente, o que previne a osteoporose, favorece a circulação, nutre os tecidos, favorece o sistema cardiovascular e respiratório. Melhora a saúde dele de forma geral. Sem falar no fator social e psicológico, na elevação da autoestima”, afirma.

O projeto começou a ser executado em maio, através de recursos provenientes do Edital nº 21-2016 – Programa Institucional de Apoio à Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do IFPB. Todo o processo de fabricação e testes ocorre no Campus Cajazeiras e deve ser finalizado até dezembro.

O aluno bolsista Lucas Oliveira, conta que a experiência está sendo enriquecedora e desafiadora, pois a equipe tem um tempo relativamente curto para desenvolver um dispositivo de baixo custo, que funcione bem e seja confortável. “Está sendo um grande desafio para mim, pois eu sempre fui mais voltado para a área de elétrica e agora estou aprendendo muita coisa na mecânica, além do software de desenho em 3D que estamos utilizando que eu também não conhecia, estou feliz e acreditando muito que vai dar certo”.

O professor André Fellipe já desenvolve pesquisas na área de reabilitação robótica e afirma que ao termino do projeto, se tudo funcionar a contento, pesquisa será disponibilizada para que possa ajudar ao máximo de pessoas. “A nossa intenção é deixar o dispositivo com uma licença de uso aberta, disponibilizando para que outros pesquisadores possam ter acesso, executar e até melhorar o projeto para que ele possa alcançar o maior número possível de pacientes com essa necessidade”.

O protótipo da órtese deve ser finalizado em setembro, quando começarão os testes. Até o final do ano a equipe deve entregá-la a uma pessoa que ficou paraplégica em decorrência de lesão na medula.

DIÁRIO DO SERTÃO com Assessoria do IFPB/Campus Cajazeiras

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan