header top bar

section content

Ministério Público cobra explicações a prefeitura de cidade da Paraíba sobre esgoto cair no canal da transposição

Prefeita de Monteiro e superintendente da Funasa têm dez dias para informar sobre providências adotadas para conclusão de saneamento

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

09/02/2017 às 09h30 • atualizado em 09/02/2017 às 10h19

Ministério Público Federal (foto: Ascom)

O Ministério Público Federal na Paraíba (MPF/PB), por meio da Procuradoria da República no Município de Monteiro, encaminhou nesta quarta-feira (8),  à prefeitura da cidade, no Cariri paraibano, e à superintendência da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), ofício em que cobra explicações para o escoamento de esgoto no canal da transposição do Rio São Francisco, conforme imagens recebidas pelo MPF.

O MPF quer informações acerca das providências adotadas para conclusão do saneamento na cidade, tida como uma das obras complementares ao Projeto de Integração do Rio São Francisco (Pisf). A prefeita Anna Lorena de Farias Leite Nóbrega e o superintendente estadual da Funasa na Paraíba, Jackson de Araújo Lucena, têm 10 dias para dar resposta ao Ministério Público Federal.

O descumprimento da requisição poderá configurar, em tese, o crime de desobediência previsto no artigo 10 da Lei n. 7.347/85, cuja pena varia de um a três anos de reclusão, além de multa.

As fotos também foram encaminhadas ao Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) e à Secretaria de Infraestrutura Hídrica Ministério da Integração Nacional para adoção das providências cabíveis.

Acompanhamento – O MPF em Monteiro acompanha a execução do estágio final das obras da transposição eixo leste, meta 3L, especialmente no tocante às providências ambientais e estruturais para a correta e eficiente execução dos trabalhos. O órgão, inclusive, já emitiu recomendação à Secretaria de Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia do Estado da Paraíba; à Agência Nacional de Águas (Ana); à Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa/PB); ao Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs); ao Ministério da Integração Nacional; além da PB Construções LTDA, empresa responsável pela obra do “rasgo” no açude de Poções em Monteiro, orçada em mais de R$ 19 milhões.

Segundo vistoria técnica realizada por engenheiro do MPF/PB de 24 a 26 de janeiro, com o objetivo de aferir o ritmo de execução das obras do eixo leste, bem como aspectos técnicos associados à qualidade desta execução, foi concluído que é difícil a chegada da água até o açude de Poções no final do mês de fevereiro, como vinha sendo divulgado pela mídia. Concluiu, ainda, que dificilmente se conseguirá levar água com sustentabilidade do açude de Camalaú até o açude de Boqueirão em apenas 30 dias.

Inquérito Civil nº 1.24.004.000005/2017-61

DIÁRIO DO SERTÃO com MPF

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview