header top bar

section content

VÍDEO: Nascimentos e mortes caem em Cajazeiras; socióloga atribui a políticas públicas, mas pede estudo

Reportagem teve acesso, com exclusividade, a dados do 1º Cartório do Registro Civil das Pessoas Naturais sobre os nascimentos e óbitos em Cajazeiras em 2016 e 2017

Por Jocivan Pinheiro

11/08/2017 às 15h36 • atualizado em 11/08/2017 às 15h41

No mês em que Cajazeiras completa 154 anos, a atenção da população se volta para o passado, mas também para o futuro do município. Nascida a partir de uma única residência – a de Mãe Aninha, genitora do Padre Rolim – a cidade cresceu, se tornou berço da educação, ganhou o status de terra que ensinou a Paraíba a ler e hoje conta com uma população de quase 70 mil habitantes, segundo o IBGE.

Obviamente que esse índice muda com o passar do tempo. Todos os anos nascem centenas de novos cajazeirenses. Mas outros morrem. E para tentar saber o que mudou na densidade demográfica do município de uns anos para cá, a reportagem da TV Diário do Sertão teve acesso, com exclusividade, a dados do 1º Cartório do Registro Civil das Pessoas Naturais sobre os nascimentos e óbitos em Cajazeiras no ano de 2016 e no 1º semestre de 2017.

VEJA TAMBÉM: Cantor sousense que fez música para novela da Globo diz que está compondo canção para Cajazeiras

População de Cajazeiras é de quase 70 mil habitantes, segundo o IBGE

De acordo com o levantamento, houve redução no número de nascimentos e mortes em 2016 e 2017 com relação a 2015 e demais anos anteriores. Os dados mostram que 855 pessoas nasceram e 739 morreram em todo o ano de 2016. Já no primeiro semestre de 2017 foram registrados 416 nascimentos e 373 óbitos.

Para comentar os dados obtidos junto ao cartório local, a reportagem conversou com a professora de Sociologia da UFCG de Cajazeiras, Mariana Moreira, que comemorou a redução significativa no número de óbitos, mas disse que somente os números não revelam os fatos sociais que estão por trás dessa redução e muito menos quais a causas das mortes atualmente.

Professora Mariana Moreira

Ela lembra que há poucas décadas, havia um alto índice de mortalidade infantil relacionada a falta de vacinas, de água tratada, de alimentação, entre outros, sobretudo na zona rural em tempos de estiagem. Mas diante dos acontecimentos sociais dos últimos anos, pode-se presumir que essas causas de mortes se reduziram bastante devido às ações de pastorais e a políticas públicas de saúde e assistência social. No entanto, é preciso um estudo mais detalhado dos fatos de hoje, como o aumento da violência, por exemplo.

“É interessante esses dados, mas é bom que a gente tenha também essas informações complementares para que a gente possa abalizar uma compreensão mais precisa desses dados. Nasceram tantos e morreram tantos é ruim porque não nos dá essa dimensão”, disse.

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan