header top bar

section content

Medo: sousense que mora em Paris conta em entrevista momentos de terror vividos durante os ataques terroristas. Assista ao vídeo aqui!

Ainda segundo ele, no inicio desta semana, o comércio local, escolas e universidades, e os pontos turísticos serão reabertos

Por

19/11/2015 às 09h16

O restaurador de arte sousense Flávio Capitulino, que mora em Paris  sofreu de perto aos ataques terroristas que vitimaram 129 mortos e muitos feridos na última sexta-feira 13.

Em entrevista, o sousense contou os detalhes da tragédia e disse que confundiu o barulho com bombas e rojões vindo do jogo amistoso que acontecia na mesma hora entre a seleção da França e a Alemanha.

“Moro próximo ao Bataclan, desci para um restaurante que tem aqui em baixo e na hora que eu abri a porta tinha um rapaz estirado no chão e os policiais me mandaram subir, quando eu subi fiquei apavorado sem saber o que estava acontecendo, o pessoal gritava de um lado, gritava de outro, então fiquei de um lado pra outro correndo sem saber o que fazer, aquela cena terrível”, disse ele.

Flávio é natural de Sousa e seus familiares residem no perímetro irrigado de São Gonçalo.

O restaurador é muito famoso em Paris e mora  há mais de 30 anos na capital da França. Foi o profissional contratado pela família de Pablo Picasso para restaurar alguns quadros inéditos do pintor espanhol.

Ainda segundo ele, no inicio desta semana, o comércio local, escolas e universidades, e os pontos turísticos serão reabertos e a cidade tentará voltar ao normal depois da pior sequencia de ataques terrorista s de sua história.

DIÁRIO DO SERTÃO

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’