header top bar

section content

Advogado eleito presidente da 1ª Academia Maçônica de Artes, Ciências e Letras do Estado fala à TVDS

Dr. Toinho explicou quem pode ser membro da academia e anunciou que Cajazeiras pode sediar encontro das academias do Brasil

Por

16/11/2015 às 17h00

No último sábado, dia 14, foi inaugurada em Cajazeiras a Academia Maçônica de Artes, Ciências e Letras do Estado da Paraíba (AMACLEPB). Inicialmente constituída por 33 membros, todos maçons, a academia tem a sua sede na loja maçônica de Cajazeiras.

 

De acordo com o advogado Antonio Pereira dos Anjos (Dr. Toinho), eleito o primeiro presidente da academia, a finalidade da AMACLEPB é promover e estimular o cultivo e divulgação das artes, das ciências e das letras no Estado, bem como o estudo da filosofia maçônica e a conservação da cultura em geral.

Em conversa com a TV Diário do Sertão, o advogado explicou quem pode ser membro da academia e anunciou que a cidade de Cajazeiras poderá também sediar o primeiro encontro das academias maçônicas de letras do Brasil.

“Assim como a gente trouxe a sede da academia para Cajazeiras, iremos lutar com todas as forças para que esse encontro seja acontecido em Cajazeiras, porque aqui a gente se sente bem à vontade, se sente em casa”, disse o presidente.

Dr. Toinho é mais conhecido na cidade como advogado previdenciário, mas a sua faceta de escritor já lhe rendeu dois livros – um sobre causas previdenciárias e outro de poesia – e um terceiro estar por vir, também sobre direito previdenciário, com lançamento previsto para o ano que vem.

DIÁRIO DO SERTÃO com fotos do 'Alto Sertão'

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’