header top bar

section content

Sindicatos travam ‘batalha’ para definição de novo piso salarial do comércio de Cajazeiras e região. Vídeo

Na última reunião entre os dois órgãos, o SINTRACS propôs um reajuste de 15% sobre o salário atual que é de R$ 735,00, mas a proposta não foi aceita.

Por

09/07/2015 às 17h11

O Sindicato dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Cajazeiras e Região (SINTRACS) e a classe empresarial representada pelo Sindicato do Comércio de Bens e Serviço de Cajazeiras (SINDIBENS) ainda não chegaram a um acordo em relação aos novos pisos salariais para os comerciários de Cajazeiras e demais municípios da região.

Na última reunião entre os dois órgãos, o SINTRACS propôs um reajuste de 15% sobre o salário atual que é de R$ 735,00. Mas a contraproposta da classe patronal foi de apenas 5%.

Para o presidente do SINTRACS, Wellington Dias a classe empresarial não pode mais usar como justificativa para o congelamento do piso o pouco poder econômico de Cajazeiras, já que, segundo ele, em 2013 e 2014 o município foi apontado como o segundo que mais cresceu no Estado.

“Há muitos anos que nosso piso vem perdendo o valor e sabemos como é difícil recuperar. Nós não queremos nada de mais apenas um salário digno para categoria e uma carga horária digna”. Destacou o presidente.

Uma nova rodada de negociações foi marcada para essa quinta-feira (09), e o presidente do SINTRACS admitiu que pode reduzir a sua proposta para que as duas partes cheguem a um consenso.

O outro lado
O empresário Alexandre Costa, membro da Diretoria do SINDIBENS, explicou que após a reunião desta quinta-feira serão informadas as propostas aos trabalhadores do comércio.

DIÁRIO DO SERTÃO

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’