header top bar

section content

Inusitado: Centenas de pombos invadem residências e população aciona o Ministério Público; aves causam riscos à saúde

O caso agora será analisado pela promotora Mariana Neves que vai buscar uma solução para resolver o problema. Confira aqui!

Por

16/06/2015 às 08h11

Um fato inusitado está sendo debatido no Ministério Público Estadual. Centenas de Pombos estão causando transtornos a vários moradores da cidade de Sousa. As aves podem oferecer um grande risco à saúde pública.

A dona de Casa Arilda Moreira, afirmou que mora ao lado de uma casa no centro de Sousa que é ocupada por vários pombos, e recentemente ela está sofrendo com problemas respiratórios. “Eu nunca tive alergia, mas ultimamente estou com falta de ar e diariamente vou ao Hospital”, disse.

Especialistas afirmam que é preciso tomar cuidado ainda com as fezes dos pombos. As fezes possuem fungos, bactérias e ácaros que podem causar, pelo menos, seis tipos de doenças. Entre as doenças transmitidas por pombos, estão a criptocose, que pode dar meningite; a histoplasmose, que pode dar doenças pulmonares; a salmonelose, que pode dar distúrbios gastrointestinais; além de dermatites e alergias.

Providências
De acordo com o secretário de agricultura da Prefeitura de Sousa, Paulo Sérgio, o caso agora será analisado pela promotora Mariana Neves que vai buscar uma solução para resolver o problema.

“Esses pombos estão causando doença em várias pessoas. Vamos se reunir com a promotora para buscar um destino para essas aves”, falou.

Assista a entrevista com o secretário de agricultura, Paulo Sérgio:

DIÁRIO DO SERTÃO

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os organizadores do 1º Eco pedal e o garoto prodígio do futebol Luiz Felipe

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Maria Vitória e Rodrigo Almeida 11.08.2017

INTERVIEW

Educadora fala da infância difícil e sua trajetória de sucesso: ‘Faltava dinheiro, mas não alegria’