header top bar

section content

Comentarista político chama vice de galinha, anuncia mudança em Sousa e diz que Justiça perdeu a confiança

De acordo com o comentarista, a mudança em toda estrutura política e judiciária no país só ocorrerá se o povo tiver coragem de ir às ruas protestar.

Por

26/02/2015 às 16h07

Jornalista, Chico Cardoso

O comentário do radialista Chico Cardoso na sua coluna semanal na TV Diário do Sertão, “Direto ao Ponto”, tratou nesta quinta-feira (26) dos poderes Legislativos e da agilidade do Judiciário. 

Segundo o radialista, a onda de crimes registrado no Brasil se define pela impunidade, pois, no Brasil, “Matar é regra normal porque ninguém paga pena”.

O radialista disse que o povo perdeu a confiança no Judiciário.

Reforma
Chico Cardoso lamentou a situação do país, pois, segundo ele, a reforma política muito falada não será como a população espera.

“Vão fazer do jeito deles. De uma forma que beneficie a política local. Acho que o Brasil caminha para um golpe de Estado”. Declarou o comentarista

Vice
Ele comparou o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB), a galinha choca, que cobre todos os aliados e todos sai ganhando.     

Sousa
O radialista revelou que Vital do Rêgo e o irmão Veneziano querem tomar o partido do prefeito de Sousa, André Gadelha para entregá-lo nas mãos do empresário Zé Nilton, para entrar na disputa pela prefeitura.

Para mudar
De acordo com o comentarista, a mudança em toda estrutura política e judiciária no país só ocorrerá se o povo tiver coragem de ir às ruas. “Se não for assim, vamos continuar desavergonhados e mortos”.

Veja o comentário do radialista a TVDS!

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio

REVELAÇÃO

VÍDEO: Emocionado, radialista fala de dificuldades na infância e revela que ‘amigo’ lhe ofereceu drogas

VEJA

VÍDEO: Gilvan de Andrade fala de experiência no Rádio em Cajazeiras e João Pessoa

VÍDEO

Padre anuncia reforma da paróquia São João Bosco de Cajazeiras a avalia atuação do bispo