header top bar

section content

Cajazeirense Lúcio Vilar lança mais um documnetário "KOHBAC"

"KOHBAC – A Maldição da Câmera Vermelha". É o mais novo documentário produzido e dirigido pelo professor e jornalista Lúcio Vilar, e tem como “intenção deliberada”, jogar luzes nos escaninhos da memória pós-64 na Paraíba, especialmente sobre uma surreal e kafkiana trama até hoje não devidamente esclarecida. Eis a proposição do filme que, resgata a […]

Por

02/05/2009 às 08h38

"KOHBAC – A Maldição da Câmera Vermelha". É o mais novo documentário produzido e dirigido pelo professor e jornalista Lúcio Vilar, e tem como “intenção deliberada”, jogar luzes nos escaninhos da memória pós-64 na Paraíba, especialmente sobre uma surreal e kafkiana trama até hoje não devidamente esclarecida.

Eis a proposição do filme que, resgata a lendária história da aquisição de uma câmera de 35mm pela Universidade Federal da Paraíba no ano de 1963, por intermédio do jornalista e cineasta Linduarte Noronha, então servidor da instituição. Este foi ao Rio de Janeiro, e após muitas tentativas realizadas, encontrou um modelo que satisfazia às necessidades da instituição numa feira de produtos soviéticos.

O projeto do então reitor Mário Moacir Porto era criar um Núcleo de Produção Cinematográfica, e ninguém mais capacitado para essa “missão” de encontrar o equipamento ideal do que o diretor de "Aruanda", já aclamado na época como o filme que deflagrou o Cinema Novo no Brasil.

O único "porém", entretanto, é que, pouco mais de seis meses, depois da câmera Kohbac desembarcar em clima de festa e muita euforia no meio cultural local estourou o golpe militar, e a câmera foi imediatamente encarcerada nos porões da universidade a partir de decisão do interventor que substituiu o progressista reitor Mário Moacir Porto.

A câmera foi considerada "comunista" e um clima de caça às bruxas e delação generalizada se abateu sobre a universidade, gerando o expurgo de professores, servidores e alunos, incluindo Linduarte Noronha que nunca chegou a usar o equipamento. E assim permaneceu, trancafiada, durante décadas até se deteriorar completamente, tornando-se obsoleta, uma mera peça de museu. "Ela morreu virgem!", diz Linduarte Noronha ao analisar os prejuízos históricos do fato.

As implicações políticas e os graves prejuízos pessoais do cineasta que perduraram por cerca de 15 anos também não escapam ao foco do documentarista que deverá fazer a estréia da obra em rede nacional através da TV Cultura, de São Paulo.

O documentário KOHBAC – A Maldição da Câmera Vermelha, de Lúcio Vilar poderá ser visto no Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa-CINEPORT que está de volta a João Pessoa para sua 4ª edição, permanecendo até o próximo dia 10 de maio e exibindo as novidades no seu formato.

Realizado anualmente, o Festival tem agora dois tipos de edição e duas sedes fixas – acontecerá bienalmente em João Pessoa, na Paraíba, em evento que terá como característica o aspecto da difusão; e em Cataguases, Minas Gerais, alternando também bienalmente sua outra edição, onde o CINEPORT será caracterizado pelo aspecto da produção e da formação voltada para o audiovisual.

No novo formato do CINEPORT, a edição paraibana terá as edições sempre pautadas por extensas programações, com exibições de muitos filmes, debates, mostras competitivas, encontros de literatura, música, artes plásticas – garantindo sua feição de festa plural, multidisciplinar, de autêntica celebração e congraçamento cultural dos países de língua portuguesa.

Já a edição mineira será voltada para a formação e produção, amparada principalmente pelo trabalho a ser desenvolvido pela recém-criada Rede CINEPORT de Cooperação Audiovisual e pela parceria com o Festival Ver e Fazer Filmes, outra bem-sucedida iniciativa da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, promotora do CINEPORT.

Da redação com Ascom

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview