header top bar

section content

Universidade Federal de Campina Grande abre concurso com salário de R$ 8,6 mil e vagas no Sertão

Os interessados devem realizar as inscrições até 29 de fevereiro no Protocolo Setorial A carga horária é de 40 horas semanais, com dedicação e remuneração de R$ 6.479,80

Por

01/02/2016 às 07h54

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) lançou editais para concursos de provas e títulos destinados a seleção de quatro professores efetivos para os campi de Patos e Sousa.

No campus de Patos, são oferecidas duas vagas para graduados em Medicina Veterinária. Exige-se doutorado na área e conhecimento em uma das seguintes áreas: Clínica Médica e Cirurgia de Equídeos e Clínica Médica e Cirurgia de Ruminantes. A carga horária é de 40 horas semanais, com dedicação exclusiva e remuneração de R$ 8.639,50

As inscrições serão realizadas de 1º a 29 de fevereiro no Setor de Protocolo do Centro de Saúde e Tecnologia Rural (CSTR), campus de Patos, nos horários das 08h às 11h e das 14h às 17h30. A taxa custa R$ 150.

Em Sousa, as duas vagas ofertadas são para graduados em Serviço Social com mestrado na área. A carga horária é de 40 horas semanais, com dedicação exclusiva e remuneração de R$ 6.479,80.

Os interessados devem realizar as inscrições até 29 de fevereiro no Protocolo Setorial do Centro de Ciências Jurídicas e Sociais (CCJS), campus de Sousa, nos horários das 08h às 12h e das 14h às 18h. A taxa custa R$ 150.

Confira editais:
Medicina Veterinária – Patos

Serviço Social – Sousa

DIÁRIO DO SERTÃO
MaisPB

Tags:
"TRAÍRA"

EXCLUSIVO: Rosilene rompe o silêncio, se solidariza com portais, diz estar arrependida em apoiar Amadeu na FPF e pede desculpas aos clubes

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Em Continência ao Senhor Jesus recebe os adoradores por excelência da Igreja Luz da Vida; Veja!

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na Tv recebe Guilherme Costa e Pisada do Chefe de Joca Claudino – PB; Confira!

EX-REITOR DA UFCG

VÍDEO: Thompson Mariz quer Ricardo no Senado e confirma João Azevedo para governador: “Não tem plano B”