header top bar

section content

Festa de Marília em Cajazeira é alvo de revolta nas redes sociais; “Palhaçada” VEJA!

Em um comentário Janielly Pereira tachou de “palhaçada”, a divisão social feita pelos organizadores do evento em Cajazeiras

Por Luzia de Sousa

21/05/2016 às 09h31 • atualizado em 21/05/2016 às 16h21

festa

ACOMPANHE ALGUNS COMENTÁRIO NO FINAL DA MATÉRIA

A jovem Maria de Fátima Gonzaga usou a rede social Facebook para reclamar dos organizadores da festa realizada na Praça do Xamegão, no Centro de Cajazeiras nessa quinta-feira (19), que teve como atração principal Marília Mendonça.

Maria de Fátima postou na rede um cartaz da festa, onde estava descrito preços dos ingressos, mas o curioso segundo ele, é que os estudantes foram considerados de “Baixa Renda”.

A cajazeirense discordou e criticou a organização da festa, além de questionar o que chamou de nova classe, na percepção dos grandes empresários.

Veja também

Vereador denuncia realização de festa em local público de Cajazeiras: “Carnaval não podia”

► Professor universitário denuncia prefeitura, MP e empresário por máfia do Carnaval

A postagem foi rapidamente comentada e compartilhada por dezenas de pessoas que também não concordaram que estudantes sejam definidos nas festas de Cajazeiras como “Baixa Renda”.

Repercussão
Em um comentário Janielly Pereira tachou de “palhaçada”, a divisão social feita pelos organizadores.

Já Josafá Ferreira postou: “Bem vindo a Cajazeiras! Cidade onde o povo não é respeitado e sim humilhado”

O diretor da Cajatur, da prefeitura de Cajazeiras, Crispim Filho respondeu a reclamação da cajazeirense e justificou ser exigência do Procon da cidade sob pena de multa.

Veja também

PERIGO: Caminhão carregado de água colide com ônibus escolar na região de Cajazeiras. Veja fotos!

Estudante de 15 anos de idade é agredido fisicamente em escola da região de Cajazeiras

Após bandidos invadirem ônibus, assaltarem e agredirem estudantes, IFPB se solidariza e divulga nota de esclarecimento. Confira aqui!

O outro lado
O empresário Erivan Morais confirmou que foi uma exigência do Procon e o valor de R$ 30 estava sendo cobrado para estudante e pessoas consideradas de Baixa Renda.

Segundo o empresário, a informação do Procon teria sido que as pessoas de Baixa Renda possuem uma carteirinha que atesta vulnerabilidade social. “Ninguém apareceu de Baixa Renda para comprar ingresso”, disse o empresário

Procon
A reportagem procurou a coordenadora, Andréa Coutinho, que contestou as informações do empresário, mas adiantou que existe um decreto nacional que dá direito ao jovem de Baixa Renda comprar ingresso com 50% de desconto.

.

DIÁRIO DO SERTÃO

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os membros da Associação dos ciclistas de Cajazeiras e região; Confira!

ADVERSÁRIOS ETERNOS

Breckenfeld diz que nunca será candidato a prefeito de São João nem aliado de Zé Aldemir: “Chance zero”

PSICOLOGIA & FILOSOFIA

Cajazeirense que vendia poesia pra pagar curso em SP fala sobre sonhos e objetivos no “Psicologia no Ar”

CÓDIGO COMPROVA

No 1º Xeque-Mate de 2018, tecnólogo diz que é fácil fraudar eleições com urna eletrônica e explica como