header top bar

section content

Festa de Marília em Cajazeira é alvo de revolta nas redes sociais; “Palhaçada” VEJA!

Em um comentário Janielly Pereira tachou de “palhaçada”, a divisão social feita pelos organizadores do evento em Cajazeiras

Por Luzia de Sousa

21/05/2016 às 09h31 • atualizado em 21/05/2016 às 16h21

festa

ACOMPANHE ALGUNS COMENTÁRIO NO FINAL DA MATÉRIA

A jovem Maria de Fátima Gonzaga usou a rede social Facebook para reclamar dos organizadores da festa realizada na Praça do Xamegão, no Centro de Cajazeiras nessa quinta-feira (19), que teve como atração principal Marília Mendonça.

Maria de Fátima postou na rede um cartaz da festa, onde estava descrito preços dos ingressos, mas o curioso segundo ele, é que os estudantes foram considerados de “Baixa Renda”.

A cajazeirense discordou e criticou a organização da festa, além de questionar o que chamou de nova classe, na percepção dos grandes empresários.

Veja também

Vereador denuncia realização de festa em local público de Cajazeiras: “Carnaval não podia”

► Professor universitário denuncia prefeitura, MP e empresário por máfia do Carnaval

A postagem foi rapidamente comentada e compartilhada por dezenas de pessoas que também não concordaram que estudantes sejam definidos nas festas de Cajazeiras como “Baixa Renda”.

Repercussão
Em um comentário Janielly Pereira tachou de “palhaçada”, a divisão social feita pelos organizadores.

Já Josafá Ferreira postou: “Bem vindo a Cajazeiras! Cidade onde o povo não é respeitado e sim humilhado”

O diretor da Cajatur, da prefeitura de Cajazeiras, Crispim Filho respondeu a reclamação da cajazeirense e justificou ser exigência do Procon da cidade sob pena de multa.

Veja também

PERIGO: Caminhão carregado de água colide com ônibus escolar na região de Cajazeiras. Veja fotos!

Estudante de 15 anos de idade é agredido fisicamente em escola da região de Cajazeiras

Após bandidos invadirem ônibus, assaltarem e agredirem estudantes, IFPB se solidariza e divulga nota de esclarecimento. Confira aqui!

O outro lado
O empresário Erivan Morais confirmou que foi uma exigência do Procon e o valor de R$ 30 estava sendo cobrado para estudante e pessoas consideradas de Baixa Renda.

Segundo o empresário, a informação do Procon teria sido que as pessoas de Baixa Renda possuem uma carteirinha que atesta vulnerabilidade social. “Ninguém apareceu de Baixa Renda para comprar ingresso”, disse o empresário

Procon
A reportagem procurou a coordenadora, Andréa Coutinho, que contestou as informações do empresário, mas adiantou que existe um decreto nacional que dá direito ao jovem de Baixa Renda comprar ingresso com 50% de desconto.

.

DIÁRIO DO SERTÃO

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview